sábado, 18 de julho de 2009

O viver é Cristo e o morrer é lucro


(Filipenses 1:21).

“Porquanto, para mim, o viver é Cristo, e o morrer é lucro.”

Aqui está um grande exemplo de convicção da fé e amor pela obra de Deus.
O apóstolo Paulo, ao afirmar que lucraria com a morte, tinha como respaldo a certeza absoluta de uma vida eterna com Cristo.

Paulo não estava invocando para si a morte por uma fuga desesperada. Ele estava anelando estar com o seu Senhor Jesus, a quem ele conhecia bem de perto e, por conseguinte, ansiava desfrutar da sua companhia em um novo tabernáculo não degenerável, o que é naturalmente o ardente desejo de todo crente.

Para todos aqueles que “foram salvos”, a morte representa uma ponte para a cidade santa. Por outro lado, aqueles que morrem sem Cristo, a morte representa a ponte para o tormento eterno onde a ira de Deus é derramado sobre os filhos da desobediência. Falaremos sobre isso.

As palavras aqui no texto lido, assim como todas as palavras ditas pelo apostolo Paulo, são palavras que de fato nos leva a uma reflexão.

O Missionário Ashbel Green Simoton conta algo interessante.

Simonton foi o primeiro Missionário presbiteriano a vir para o Brasil; formou-se em Teologia em Princiton em 1858. Em 1859 chegou no Rio de Janeiro e em 1862 foi organizada a primeira igreja Presbiteriana naquela cidade.

Simonton casou-se em 1863 e ficou viúvo em 1864.
Simonton pastoreou aquela igreja por 3 anos, ele morreu em 1867 em são Paulo acometido de Febre amarela.

Nos seus escritos ele conta que em suas visitas conversava com uma senhora e leu essa passagem bíblica de Filipenses (Passagem do Apostolo Paulo).

A mulher olhando para ele disse: vejo que o padre a quem me consultei ultimamente tinha razão em dizer-me que “o apostolo Paulo era o predileto dos que se dizem evangélicos”. (Simonton achou agradável esse elogio)

De fato, nos ensinos de Paulo encontramos a perfeita doutrina da salvação, porém isso não basta para merecermos esse elogio que o padre fez.
Simonton dizia: precisamos por em prática doutrina que ele perfeitamente nos apresenta. (Paulo diz em 1ª Corintios 11:1 sede meus imitadores...)

O texto que lemos no início, Fl 1:21, o apostolo Paulo diz: “por quanto para mim o viver é Cristo e o morrer é lucro.
Paulo estava na prisão quando escreveu esta carta aos Filipenses.
A perseguição era intensa aos cristãos que pregavam o evangelho.

Acoites, prisões, mortes. Paulo sabia muito bem o procedimento dos perseguidores. (Ele tinha sido um perseguidor cruel, Mandou matar Estevão) e agora ele sente na pele que é ser perseguido.

No entanto ele escreve aos Filipenses, não para se lamentar, mas para confortar e incentivar os irmãos a lutarem juntos pela fé evangélica (V 27)
E assim, quanto mais se matava crente mais surgiam outros.

Não tinha como parar a obra do Senhor. As prisões, os acoites e até a morte dos cristãos servia para o progresso do evangelho. V. 12-14.

Paulo tinha o desejo é claro de sair da prisão para pregar o evangelho; no entanto a sua paixão não era morrer nem viver, mas ele queria de uma forma ou de outra ver o nome do Senhor sendo engrandecido.

Por isso ele diz no verso 21 “para mim o viver é cristo e o morrer é lucro”.
Se ele morresse estaria com Cristo, se continuasse a viver estaria trabalhando para o progresso do evangelho. (v 22,23).

Quando o Apostolo afirma de forma tão enfática no verso 21 “para mim”, pondo a expressão logo no início da frase, ele está dando um testemunho pessoal, e ao mesmo tempo estabelecendo um contraste entre ele mesmo e aqueles a quem ele se refere nos versos 15-17, e que sem dúvida ainda os tinha presente em sua mente, a saber os pregadores “que pregam a Cristo por discórdia”.

Paulo pois ao contrário deles não é egocêntrico, e, sim, Cristocêntrico.
A sua maior preocupação é a honra e a glória do seu incomparável Redentor.

Por isso ele diz “para mim o viver é Cristo” com essa expressão ele podia ter em mente: a humildade e a disposição de Cristo; cobrir-se com a justiça de Cristo; Regozijar-se em Cristo; viver para Cristo, ou seja para sua glória.

Ainda nesse verso 21 ele diz “E o morrer é lucro” é ganho, morrer fisicamente significa ganho para Paulo, significa que ele estará realmente com Cristo.(v 23), “estará em casa com o Senhor”. 2ª CO 5:8

Mas, Lucro ou ganho para Paulo, compreende que está associado a lucro ou ganho para a causa de Cristo. A morte seria um ganho distinto, pois seria a porta de ingresso para um conhecimento mais pleno de cristo.

Será que podemos dizer o mesmo e com a mesma convicção:
“para mim o viver é Cristo e o morrer é lucro”

Como seria essa realidade para com o ímpio e para com o justo?

1- Para o ímpio o viver é passageiro. Para eles:
A vida consiste apenas nas coisas terrenas, deste mundo. 1ª Jo 2:17
* No dinheiro
* Na fama
* Nos Prazeres

2- Para o homem infiel, o morrer é desespero.
A morte para o ímpio representa a ponte para o tormento eterno onde a ira de Deus é derramado sobre os filhos da desobediência. Colossens.3:5
Fazei, pois, morrer a vossa natureza terrena: prostituição, impureza, paixão lasciva, desejo maligno e a avareza, que é idolatria;
6 por estas coisas é que vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência.

* Condenação - João 5:28,29

* Sofrimento eterno - Lc 16:19

Agora para os eleitos que foram escolhidos por Deus para a salvação, estes que reconhecem a Jesus como único e suficiente salvador, para estes a história é diferente.

3- Para o justo, o viver é Cristo
a) Sua prioridade é o reino de Deus (Mt 6:33)

b)Tudo o que ele faz ou o que ele passar nessa vida é pra glória de Deus.
(1 Coríntios 10:31)

c) Jesus é a razão de sua existência. v 21 “para mim o viver é Cristo”

4- Para o justo o morrer é lucro.
Sl • 116:15, Preciosa é à vista do SENHOR a morte dos seus santos.

a)Estará para sempre unido ao Senhor
b) Desfrutará da vida eterna

Para o apostolo Paulo a realidade era essa “o viver é Cristo e o morrer é lucro”. E para nós, qual a realidade?

Estamos dispostos a viver para Ele, para o serviço dele, para a obra dEle, para a glória dEle?

Outra pergunta eu deixo para encerrar: Devemos ser apenas admiradores do apostolo Paulo ou devemos ser seus imitadores como ele diz em 1ªCo 11:1?

Que Cristo seja para nós a razão do nosso viver, o motivo do nosso louvor.

E como diz aquele hino conhecido “E quando a morte enfim me vier chamar, no céu com o Senhor irei morar... Mais perto quero está meu Deus de ti”

Para mim o viver é Cristo e o morrer é lucro!

Que assim seja,
Amém.

2 comentários:

Rui Magno disse...

Grande mensagem pastor!
Confortante e edificante!
Deus lhe abençoe.

Rui Magno

EDILSON VALDECI disse...

Mensagem poderosa que nos conforta e nos mostra a verdadeira essência do evangelho.

Que o nosso Deus continue lhe abençoando.