segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

O PERDÃO



O Programa Verdade e Vida com Hernandes Dias Lopes é exibido todos os sábados, às 8h15,(horário de verão) na Rede TV em Rede Nacional.


http://www.hernandesdiaslopes.com.br/?area=conteudo&categoria=3&pagina=3

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

JOHN HUS ● Cenas do Filme

Surge um grande mártir


John Hus, que nasceu em 1369 (mais de cem anos antes de Lutero), defendia a crença de que a salvação ocorre somente pela fé em Jesus Cristo e que só a Bíblia é a Palavra de Deus. Ensinou abertamente na Universidade de Praga, onde alertou a todos sobre o abuso do cristianismo de sua época. Em vez da missa em latim, Hus introduziu várias mudanças, como o cântico de hinos pelo povo. Um dos seus intuitos era apresentar a Bíblia na língua do povo.

Esta é a empolgante história de um homem corajoso, cuja fé em Jesus o mantinha motivado mesmo diante das perseguições. Acusado, preso e condenado à morte na fogueira, John Hus foi queimado vivo em 1415 e morreu cantando louvores a Deus.

SOLUS CRISTUS


Morto em pecado, méritos nenhum possuis.
Os méritos são de Cristo que morreu na cruz
Nasceu debaixo da Lei, nascido de mulher.
A imputação da sua justiça é somente pela fé.

Eleito pela graça, méritos nenhum possuis.
Os méritos são de Cristo que morreu na cruz
Eterna e soberanamente Deus te elegeu
Nenhuma glória a ti pertence, Glória somente a Deus.

Remido pelo sangue, méritos nenhum possuis.
Os méritos são de Cristo que morreu na cruz
E derramou seu sangue pelo povo que escolheu
Somente por seu sangue há reconciliação com Deus

Chamado eficazmente, méritos nenhum possuis.
Os méritos são de Cristo que morreu na cruz.
A justiça de Deus, Jesus seu filho satisfez.
Cumprindo em sua vida e morte, de Deus, a sua Lei.

Mantido pela graça, méritos nenhum possuis.
Os méritos são de Cristo que morreu na cruz.
Sentados a destra de Deus Pai, constante intercessão.
Sempre pela igreja para a glorificação.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

A ERA SOMBRIA

A ERA SOMBRIA



A última geração do primeiro século, a que vai do ano 60 ao 100 AD, chamamos de "Era Sombria", em razão de as trevas da perseguição estarem sobre a igreja, e a falha de muitas informações sobre este período.

Ao longo dos primeiros três séculos do cristianismo havia tanto competição entre as religiões como o espírito de tolerância. Embora nunca tomaram recursos de armas para se defenderem, os cristãos foram o único elemento social perseguido por período prolongado

A falta de participar em festas e ritos idolatras dos templos bem como sua hostilidade a outras religiões levou o mundo da época consideram os cristãos de ateus e inimigos dos deuses. Também os cristãos passaram a se reunir de noite e em segredo e começaram a mostrar afeição uns pelos outros. Ao mesmo tempo celebravam a ceia do Senhor (comer o sangue e o corpo de Jesus) deu margem às acusações de antropofagia ou canibalismo.

Assim durante década foi lhes atribuído as seguintes acusações: ateísmo, licenciosidade e canibalismo.

O cristianismo chocou as sensibilidades dos filósofos e mais educados justamente pelo entusiasmo de seus adeptos. Pior, entraram em conflito com os vendedores de ídolos e os comerciantes da idolatria. Trouxe assim contra eles a má vontade duma classe poderosa.

O Paganismo em suas práticas aceitava as novas formas e objetos de adoração que iam surgindo, enquanto o Cristianismo rejeitava qualquer forma ou objeto de adoração.

A adoração aos ídolos estava entrelaçada com todos os aspectos da vida. As imagens eram encontradas em todos os lares, e até em cerimônias cívicas, para serem adoradas. Os cristãos, é claro, não participavam dessas formas de adoração. Por essa razão o povo considera os cristãos como " Anti-social e ateus que não tinham deuses.

A adoração ao Imperador era considerada como prova de lealdade. Havia estátuas dos imperadores reinantes nos lugares mais visíveis para o povo adorar. Os cristãos recusavam-se a prestar tal adoração.

As reuniões secretas dos cristãos despertaram suspeitas. De praticarem atos imorais e criminosos, durante a celebração da Santa Ceia, eram vetada a entrada dos estranhos.

O Cristianismo considerava todos os homens iguais. Não havia distinção entre seus membros, nem em suas reuniões, por isso foram considerados como " niveladores da sociedade ", portanto anarquistas, perturbadores da ordem social.

Perseguição (Nero)

Nero chegou ao poder em 54, todos os que se opunham à sua vontade, ou morriam ou recebiam ordens de se suicidar.

Assim estavam as coisas quando em 64 AD aconteceu o incêndio em Roma. Diz-se que foi Nero, quem ateou fogo à cidade, Contudo essa acusação ainda é discutível. Entretanto a opinião pública responsabilizou Nero por esse crime. Afim de escapar dessa responsabilidade, Nero apontou os cristãos como culpados do incêndio de Roma, e moveu contra eles tremenda perseguição. O fogo durou seis dias e sete noites e depois voltou a se acender em diversos lugares por mais três dias.

- Milhares de cristãos foram torturados e mortos.

- Muitos serviram de iluminação para a cidade, amarrados em postes e ateado fogo.

- Muito foram vestidos com peles de animais e jogados para os cães.

- Nesta época morreram :

- Pedro - Crucificado em 67

- Paulo - Decapitado em 68

- Tiago - Apedrejado depois de ser jogado do alto do templo

Além de matá-los fê-los servir de diversão para o público.

A Perseguição (Domiciano)

No ano 81 Domiciano sucedeu ao imperador Tito que invadira destruíra Jerusalém no ano 70. Com a destruição de Jerusalém Domiciano ordenou que todos os judeus deviam enviar à Roma as ofertas anuais, que eram enviadas a Jerusalém, estes, por sua vez não obedeceram, o que desencadeou a segunda perseguição, não somente aos judeus mas também aos cristãos.

Durante esses dias milhares de cristão foram mortos, especialmente em Roma e em toda a Itália. Nesta época o apóstolo João, que vivia em Éfeso, foi preso e exilado na ilha de Patmos, foi quando recebeu a revelação do Apocalipse.

Promoveu uma perseguição muito severa em Roma e na Ásia Menor, as duas onde o cristianismo parece ter se expandido mais até então. Esta perseguição parece ter acontecido um pouco antes da sua morte. Envolveu a morte do cônsul Flávio Clemente e sua esposa Flávia Domitila.

Trajano (98-117)

Proibiu as sociedades secretas, inclusive o cristianismo.

AS PERSEGUIÇÕES IMPERIAIS

Este período vai da morte do Apóstolo João, ano 100 AD até o Edito de Constantino, ano 313 AD.

O fato de maior destaque na História da Igreja neste período foi, sem dúvida, as perseguições realizadas pelos Imperadores Romanos. Estas perseguições duraram até o ano 313 AD, quando Constantino, o primeiro Imperador Romano, " cristão ", fez cessar todos os propósitos de destruir a Igreja.

A de ressaltar que durante este período houve épocas em que as perseguições foram mais amenas.

No início do segundo século, os cristãos já estavam radicados em todas as nações e em quase todas as nações, e alguns crêem que se estendia até a Espanha e Inglaterra. O número de membros da comunidade cristã subia a muitos milhões. A famosa carta de Plínio ( Governador da Bitínia - hoje Turquia ) ao Imperador Trajano, declara que os templos dos deuses estavam quase abandonados, enquanto os cristãos em toda parte formavam uma multidão, e pertenciam a todas classes , desde a dos nobres, a até a dos escravos.

Os Perseguidores

Imperador Trajano 98 a 117 AD - Estabeleceu a Lei, que sendo cristão acusado de qualquer coisa e não negar fé, será castigado, não tendo acusação estão livres. Mandava crucificar e lançar às feras.

Imperador Adriano 117 a 138 AD - Morreu em agonia, gritando, " Quão desgraçado é procurar a morte e não encontrar ".

Imperador Marco Aurélio 161 a 180 AD - Mandava decapitar e lançar às feras. Apesar de possuir boas qualidades como homem e governante justo, contudo foi acérrimo perseguidor dos cristãos. Opunha-se, pois, aos cristãos por considerá-los inovadores. Milhares foram decapitados e devorados pelas feras na arena. Os Imperadores acima mencionados, foram considerados como os " bons imperadores ", nenhum cristão podia ser preso sem culpa definida e comprovada. Contudo, quando se comprovava acusações e os cristãos se recusavam a retratar-se, os governantes eram obrigados, a por em vigor a lei e ordenar a execução.

Comodus (180-193) Foi o imperador mais favorável aos cristãos que todos os anteriores.

Imperador Severo 193 a 211 AD - Mandava decapitar e lançar às feras. Iníciou uma terrível perseguição que durou até à sua morte em 211 AD. Possuía uma natureza mórbida e melancólica; era muito rigoroso na execução da disciplina. Tão cruel fora o espírito do imperador, que foi considerado por muitos como o anticristo.

Imperador Décio 249 a 251 AD - Décio observava com inveja o poder crescente dos cristãos, e determinou reprimi-lo. Via as igrejas cheias enquanto os templos pagãos desertos. Por conseqüência, mandou que os cristãos tinham que se apresentar ao Imperador para comunicar e religião. Quem renunciava recebia um certificado, que não renunciava era considerado criminoso e conduzidos às prisões e sujeitos às mais horrorosas torturas.

Galenius (260-268) Não houve mais perseguições até o período de Dioclesiano

Imperador Diocleciano 305 a 310 - A última, a mais sistemática e a mais terrível de todas as perseguições deu-se neste governo. Em uma série de editos determinou-se que : - Todos os exemplares da Bíblia fossem queimados. - Todos os templos construídos em todo o império durante meio século, fossem destruídos. - Todos os pertencentes as ordens clericais fossem presos. - Ninguém seria solto sem negar o Cristianismo. - Pena de morte para quem não adorasse aos deuses. Prendiam os cristãos dentro dos templos e depois ateava fogo. Consta que o imperador erigiu um monumento com esta inscrição " Em honra ao extermínio da superstição cristã ".

Os Principais Mártires

Inácio Provável discípulo de João, bispo em Antioquia, foi condenado no ano 107 AD por não adorar a outros deuses. Foi morto como mártir, lançado para as feras no anfiteatro romano, no ano 108 ou 110 enquanto o povo festejava. Ele estava disposto a ser martirizado, pois durante a viagem para Roma escreveu cartas às igrejas manifestando o desejo de não perder a honra de morrer por seu Senhor

Policarpo Bispo em Esmirna, na Ásia Menor, morreu no ano 155. Ao ser levado perante o governador, e instado para abandonar a fé e negar o nome de Jesus, assim respondeu: " Oitenta e seis anos o servi, e somente bens recebi durante todo o tempo, Como poderia eu agora negar ao meu Salvador ? Policarpo foi queimado vivo.

Justino Mártir Era um dos homens mais competente de sue tempo, e um dos principais defensores da fé. Seus livros, que ainda existem, oferecem valiosas informações acerca da vida da igreja nos meados do segundo século. Seu martírio deu-se em Roma, no ano 166.

Os Efeitos Produzidos por causa das Perseguições

As perseguições produziram uma igreja pura pois conservava afastados todos aqueles que não eram sinceros em sua confissão de fé. Ninguém se unia à igreja para obter lucros ou popularidade. Somente aqueles que estavam dispostos a ser fiéis até a morte, se tornavam publicamente seguidores de Cristo.

A Igreja multiplicava-se. Apesar das perseguições ou talvez por causa delas, a igreja crescia com rapidez assombrosa. Ao findar-se o período de perseguição, a igreja era suficientemente numerosa para constituir a instituição mais poderosa do império.

Não entanto era suficiente para criar o problema dos lapsos (aqueles que caíram). Por outro lado, o fato de serem de curta duração criou as condições pelas quais "o sangue dos mártires foi a semente da Igreja" As perseguições universais, mostraram que a igreja estava "gorda" nestes séculos, a perseguição intensa, universal e demorada arrasou a Igreja. Muitos negaram a fé, outros tantos forma exilados do império. Mesmo assim a lista daqueles que deram sua vida pela fé nas perseguições de Décio a Dioclesiano foi muito grande. A Igreja conseguiu sobreviver e crescer ainda mais devido à relativa paz de 40 anos entra as duas perseguições e o Edito de Milão.

O problema dos "lapsos" (caídos) foi muito agudo nos séculos II e III. Hermas (O Pastor) e Cipriano (De Lapsis) escreveram tratados sobre a questão. O que se deve fazer com os que negaram a fé e queimaram incenso a efígie de César? A Igreja elaborou algumas respostas: A igreja de Roma em geral foi indulgente com os lapsos, recebendo-os de volta com a simples confissão de seu pecado. Existia um rigor contra os lapsos, eles não teriam mais direito de fazer parte da Igreja. Hermas ( que escreveu o livro O Pastor) representa uma posição mediadora que aceita uma única queda. Os lapsos seriam aceito de volta, mas não mais para o lugar de líderes. Os lapsos seriam membros de "segunda classe" na Igreja. Embora Cipriano é muito duro com os lapsos, ele os chama a um abundante arrependimento para demostrar sua tristeza e aflição, sem desesperar da misericórdia de Deus. Apenas estes seriam recebidos de novo na Igreja.

Apesar de considerarmos as perseguições o fato mais importante da História da Igreja, no segundo e terceiro séculos, contudo, fatos interessantes aconteceram neste período que devem ser observados. Vejamos :

O Cânon Bíblico

Os escritos do Novo Testamento foram terminados, entretanto a formação do Novo Testamento com os livros que o compõem, como cânon, não foi imediata. Algumas Igreja aceitavam somente alguns livros como inspirados e outra igrejas livros diferentes.

Gradualmente os livros do Novo Testamento, tal como usamos hoje, conquistaram a proeminência de escritura inspirada.

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Pr J. Marcelino - As Bem-aventuranças. MT 5

BEM-AVENTURADOS OS HUMILDES DE ESPÍRITO


BEM-AVENTURADOS OS QUE CHORAM



BEM-AVENTURADOS OS MANSOS



BEM-AVENTURADOS OS QUE TEM FOME E SEDE DE JUSTIÇA



BEM-AVENTURADOS OS MISERICORDIOSOS



BEM-AVENTURADOS OS LIMPOS DE CORAÇÃO

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Superando as Distrações

por

A. W. Tozer


"Mas tu, quando orares, entra no teu quarto e, fechando a porta, ora a teu Pai que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará". -- Mateus 6:6


Entre os inimigos da devoção, nenhum é tão nocivo como as distrações. Tudo o que excita a curiosidade, espalha os pensamentos, inquieta o coração, absorve os interesses ou desloca o foco de nossa vida, do reino de Deus dentro de nós, para o mundo ao redor de nós - isto é uma distração; e o mundo está cheio dela. Nossa civilização baseada na ciência tem nos dado muitos benefícios, porém ela tem multiplicado nossas distrações e assim tem nos ocupado mais do que tem nos dado...

O remédio para as distrações é o mesmo agora como era nos tempos primitivos e simples, a saber, oração, meditação e cultivação da vida interior. O salmista disse: "Aquietai-vos e sabei", e Cristo nos chama a entrar no nosso quarto, fechar a porta e orar ao Pai. Isto ainda funciona...

As distrações devem ser conquistadas ou elas nos conquistarão. Portanto, cultivemos a simplicidade; desejemos menas coisas; andemos no Espírito; enchamos nossas mentes com a Palavra de Deus e nossos corações com louvor. Neste caminho podemos viver em paz até em um mundo distraído como este. "Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou".

“Senhor, é certamente duro e difícil afastar as distações de uma civilização progressivamente baseada na ciência. Ajuda-me a cultivar a simplicidade, a ser satisfeiro com menas coisas e a encontrar a paz interior que Tu podes dar numa vida de oração e meditação. Amém”

http://www.monergismo.com/

Sinais de Uma Vida Agradável a Deus

por

Rev. Richard Baxter



... Veja então se você vive buscando principalmente agradar a Deus ... : você pode descobrir através destes sinais.

1. Vocês terão mais interesse em entender as Escrituras e em saber tanto o que agrada, quanto o que desagrada a Deus.

2. Vocês terão mais interesse na realização de todos os seus deveres, com o propósito de agradar a Deus e não aos homens.

3. Vocês olharão para seus corações e não só para suas ações; para seus fins e pensamentos; para o seu homem interior e seu nível de espiritualidade.

4. Vocês atentarão para seus deveres secretos, tanto quanto para os públicos e, para aqueles que não são vistos pelos homens, tanto quanto para os que são.

5. Vocês respeitarão suas consciências e não as desprezarão; quando elas lhe mostrarem o desagrado de Deus, isto os inquietará; quando elas lhe mostrarem Sua aprovação, isto os confortará.

6. Suas companhias serão pessoas caridosas e piedosas, que buscam agradar a Deus, e não orgulhosas e ambiciosas, que buscam honra própria, nem ímpias, que desagradam a Deus.

7. Se os homens são agradados ou desagradados, ou a forma com que o julgam, ou como eles o chamam, parecerá um assunto pequeno para você, como o próprio interesse deles, em comparação ao julgamento de Deus. Você não vive para eles. Você pode suportar seus desagrados , censuras, e reprovações, se tão somente agradar a Deus. Estas serão suas evidências.



http://www.monergismo.com/

Uma Boca Fechada e um Coração Mudo

por

A. W. Tozer



"Escandesceu-se dentro de mim o meu coração; enquanto eu meditava acendeu-se o fogo; então disse com a minha língua..." Salmos 39:3


A oração entre os cristãos evangélicos está sempre em perigo de degeneração, numa busca incessante pelo ouro. Quase todo livro sobre oração trata primariamente com o elemento "receber". Como conseguir coisas que queremos de Deus ocupa a maioria do espaço. Ora, nós admitimos alegremente que podemos pedir e receber dons especiais e sermos beneficiados com a resposta à oração, mas nunca devemos esquecer que a qualidade mais alta da oração nunca é a composição de pedidos. A oração em seu momento mais santo é o entrar na presença de Deus, num momento de bendita união, de uma forma que faz com que os milagres pareçam enfadonhos e as respostas extraordinárias às orações algo muito menos admirável por comparação.

Homens santos de momentos mais sóbrios e quietos do que os nossos, conhecem bem mais o poder do silêncio. Davi disse, "Com silêncio fiquei qual um mundo; calava-me mesmo acerca do bem; enquanto eu meditava acendeu-se o fogo; então disse com a minha língua...". Há uma dica aqui para os profetas modernos de Deus. O coração raramente pega fogo quando a boca está aberta. Uma boca fechada diante de Deus e um coração mudo são indispensáveis para a recepção de certos tipos de verdade. Nenhum homem é qualificado para falar se primeiro não ouvir.

“Senhor, ensina-me a fechar minha boca. Eu amo pregar; Tu tens me dado oportunidades para ensinar; eu sou chamado para dispensar avisos e conselhos. Mas o sentar em silêncio diante de Ti, com minha boca fechada - eu quase não faço o suficientemente. Amém”.

http://www.monergismo.net.br/?secao=vida_piedosa

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Rev José Santana Dória - Batismo com Espírito Santo

PARTE 1


OUÇA A SEGUNDA E TERCEIRA PARTE NO BLOG TEMPO OPORTUNO DE REFORMA:
http://www.tempodereforma.blogspot.com/2009/11/pr-j-santana-doria-batismo-com-espirito.html

sábado, 24 de outubro de 2009

DIFERENÇA ENTRE UM MEMBRO DA IGREJA LOCAL E UM DISCÍPULO


DIFERENÇA ENTRE UM MEMBRO DA IGREJA LOCAL E UM DISCÍPULO

O membro espera Pães e peixes; o discípulo é um pescador.
O membro luta por crescer; o discípulo por reproduzir-se.
O membro se ganha; o discípulo se faz.
O membro gosta do afago; o discípulo, do serviço e do sacrifício.
O membro entrega parte dos seus desejos; o discípulo entrega sua vida.
O membro espera que lhe aponte a tarefa, o discípulo é solícito em tomar a responsabilidade.
O membro murmura e reclama; o discípulo obedece e nega a si mesmo.
O membro reclama que o visitem; o discípulo visita.
O membro vale porque soma, o discípulo porque se multiplica.
O membro sonha com a igreja ideal; o discípulo se entrega para fazer a igreja real.
O membro diz: Que bonito! O discípulo: Eis-me aqui!
O membro espera o avivamento na Igreja; o discípulo é parte dele.
O membro é forte soldado na trincheira de defesa; o discípulo é um soldado invasor na trincheira do inimigo.
O membro é condicionado pelas circunstâncias; o discípulo as aproveita para exercitar sua fé.
O membro é valioso; o discípulo é indispensável.
QUAL É O SEU PAPEL NA IGREJA DO SENHOR, MEMBRO OU DISCÍPULO ?

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Vidas Sem Igreja e Igrejas Sem Vida


por

Raniere Menezes


Conheço as tuas obras, que tens nome de que vives e estás morto. Apocalipse 3:1

É triste ver que há tantas pessoas que se dizem crentes, mas não querem congregar e autocontentam-se com seu “cristianismo” isolado. Por outro lado, é igualmente lamentável ver igrejas com gente congregando, mas sem vida. - (...) quando vier o Filho do Homem, achará, porventura, fé na terra? Lucas 18:8. – E o mais triste é que crentes reformados, quando deveriam reverter esse quadro, estão engrossando as estatísticas da multiplicação da iniqüidade.

As igrejas históricas de hoje, em geral, estão parecendo cidades fantasmas do tempo do Velho Oeste americano; abandonadas, cheias de teias de aranha, empoeiradas, acumuladas de escombros e desérticas. Estão mortas! Em contrapartida, há pessoas que se consideram cristãs sem igreja, prostituindo-se biblicamente, como bem enfatizou Dr. J. R. Witt: “Trata-se de uma prostituição do conceito bíblico da vida da fé, de considerar o cristão como uma pessoa isolada, vivendo para ele próprio somente, como se ele pudesse cumprir sua obrigação para com Deus sem ver todas as coisas como estando sujeitas ao Senhorio de Jesus Cristo”. Esquecendo que a igreja é um corpo, e não há membro fora do corpo. A igreja é o aprisco; o curral das ovelhas.

Cristo é pastor de um rebanho, não de ovelhas isoladas e individualistas. O corpo não é um só membro, mas muitos. 1 Coríntios 12:14. Não há como se contentar consigo mesmo e não estar próximo do inferno, essa é a advertência.

Mateus 24:12 não deixa dúvida: E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor se esfriará de quase todos. - Esta é uma profecia que deveria nos causar interesse. E fazemos bem em ouvi-la. Deveríamos ler esta passagem em espírito de oração, e humildemente pedirmos a Deus, que Ele a grave profundamente em nossa mente. Assim sendo, vigiemos irmãos. Vem, Senhor Jesus!


http://www.monergismo.com/

sábado, 17 de outubro de 2009

PREPARA-TE PARA ENCONTRARES COM DEUS


PREPARA-TE, Ó ISRAEL, PARA TE ENCONTRARES COM O TEU DEUS Amós 4:12

Amós foi um profeta enviado por Deus a um povo obstinado, que não queria ouvir a Sua voz .

Foi necessário que Deus enviasse sobre eles a seca, a fome, as pragas dos gafanhotos, para eles pararem e caírem em si.

Mas, mesmo assim, a dureza de coração persistia e aquele povo continuava longe de Deus.

Agora, através deste profeta do sul, Deus manda como que um ultimato: - "Prepara-te, ó Israel, para te encontrares com o teu Deus". Esta é a tua última oportunidade.

Ou te arrependes dos teus pecados e dos teus maus caminhos ou virei a ti e tirarei de ti o teu castiçal, para não teres mais oportunidade de brilhar!

Às vezes é preciso chegar a medidas extremas para que vejamos o perigo em que estamos.

Portanto, assim te farei, ó Israel! E, porque isso te farei, prepara-te, ó Israel, para te encontrares com o teu Deus.

Esta passagem pode ser explicada de duas maneiras: como uma frase irônica, ou como uma simples e grave exortação ao arrependimento.

Se a considerarmos ironicamente, o sentido seria: “Venham agora, encontrem-se comigo com toda a obstinação de vocês e com tudo o mais que lhes possa valer.
Acaso conseguirão escapar da minha vingança opondo-se a mim, como têm feito até agora?”.
E, por certo, ao denunciar o juízo final sobre o povo, é como se aqui o profeta quisesse tocar de propósito no âmago deles, quando diz:
“Encontrem-se agora com o seu Deus e preparem-se”, quer dizer, “reúnam todas as energias, forças e auxiliares de vocês; apelem a tudo quanto esses recursos lhes oferecem”.

Mas como no capítulo seguinte o profeta exorta novamente os israelitas ao arrependimento, e põe diante deles a esperança da graça, esse trecho deve ser tomado com outro sentido, como se o profeta dissesse:
“Já que vocês se consideram culpados e parecem admitir que buscam subterfúgios inúteis, sendo totalmente incapazes de deter a mão do juiz de vocês, então procurem, pelo menos, ir ao encontro do seu Deus, antecipando-se à ruína iminente”.

Amados, um dia, o homem quer queira, quer não, terá que comparecer diante de Deus, para prestar contas da sua vida. Que preparação ele tem para esse encontro com Deus?

Perante Deus, ninguém pode prevalecer com seus pecados e com sua alma manchada, por isso, "prepara-te para te encontrares com Deus"!

Em que consistirá essa preparação? Será que são suficientes as nossas boas obras?
Será que temos merecimentos próprios para comparecer diante de Deus, Santo Justo e Verdadeiro?
Lembremo-nos que "todos nós somos, aos Seus olhos, como o imundo e todas as nossas justiças como trapos de imundície " (Isaías 64:6).

A leitura inicial, do nosso texto básico é especifico para um povo, uma nação, a saber, Israel.
Antes o povo de Deus, a nação eleita, era Israel; agora é a igreja, composta também por gentios.

Isso que Paulo quis dizer. O objetivo dele foi mostrar que a salvação engloba os gentios também, pois o povo eleito não é mais especificamente Israel carnal, mas a Israel espiritual, a igreja.

Na bíblia encontramos muitas advertências para que a igreja se prepare para o encontro com o Senhor ( o encontro da noiva com o noivo)

Por exemplo: Mt 25, fala da parábola das dez virgens...

A vigilância recomendada por Jesus nesse texto não significa esperarmos preparados a vinda futura de Jesus,

mas sim percebê-lo já, aqui e agora presente no meio de nós, no compromisso presente com a igreja, com a obra do senhor, com a espiritualidade.

O cristão deve se manter sempre fiel à Palavra de Deus e sensível à influência do Espírito Santo.

Buscar um relacionamento estreito com o Senhor Jesus e perseverar na espera pela sua volta.

Em Lucas 12:16-21 vemos a loucura de um homem que não estava preparado para encontrar-se com Deus
Nessa parábola Jesus fala de um homem que era muito rico, e que por ser tão rico se preocupava apenas em manter a sua riqueza (vs. 18).

Ele fez um projeto de vida que para muitos seria o mais óbvio de se fazer: garantir que sua riqueza não se perdesse (vs. 18) e aproveitar a sua riqueza vivendo uma vida voltada para si mesmo (vs. 19). (essa era sua preparação)

É nesse contexto que Deus lhe diz: “Louco, esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens prepara do para quem será?”

A maior loucura que o homem pode cometer é se preparar para tudo e não se preparar para o encontro com Deus. “ prepara-te, ó Israel, para te encontrares com o teu Deus”.
Um dia nós nos encontraremos com Deus, isso é uma realidade que não podemos negar. Assim como todo atleta que se prepara para uma olimpíada o Cristão deve estar preparado para encontrar-se com Deus.
A questão é: Estamos preparados para esse encontro?
Temos que estar preparados porque mais cedo ou mais tarde esse dia chegará. “Tu, pois, ó SENHOR, Deus dos Exércitos, Deus de Israel, desperta para visitares todas as nações: não tenhas misericórdia de nenhum dos pérfidos que praticam a iniqüidade”.
O preparo para o encontro com Deus requer algumas exigências:

1. Exige Disciplina: Devemos criar uma disciplina para a nossa vida espiritual.

• Disciplina na alimentação – Espiritualmente o nosso alimento é a palavra de Deus. “Porque a minha carne verdadeiramente é comida, e o meu sangue verdadeiramente é bebida”. (JO 6;55) (qual tem sido nosso alimento diário?)

• Disciplina Dos olhos, da boca, dos pés, da mente e do nosso tempo – É necessário dedicarmos um horário para estar com o Senhor.

2. Exige Dedicação: Como um atleta que necessita estar dedicado ao seu treinamento da mesma forma somos nós.
Qualquer que seja a profissão ou tarefa a ser feita por alguém exige sua dedicação completa e total. Se isso faltar então o desenvolvimento do seu trabalho estará comprometido.

3. Exige Esforço: Precisamos fazer um esforço. “Não to mandei eu? Esforça-te, e tem bom ânimo; não te atemorizes, nem te espantes; porque o Senhor teu Deus está contigo, por onde quer que andares”. (Js 1;9)
Portanto amados, Todos nós aguardamos uma herança divina, e não um mundo de prazeres e bênçãos meramente materiais.

Não devemos ser gnósticos e renegar a criação, porém também precisamos cuidar para que nosso coração não esteja neste mundo caído, mas nos novos céus e nova terra.

Mas enquanto estivermos aqui, preparemo-nos assim como uma noiva se prepara para o casamento, anciosa aguardando o noivo com alegria.

A mensagem é “prepara-te ó Israel...” Prepara-te Igreja...


Pr Davi Buriti

sábado, 3 de outubro de 2009

O lamento de Jesus


Mt 23:37-39
37 Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas, e apedrejas os que te são enviados! quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintos debaixo das asas, e tu não quiseste!
38 Eis que a vossa casa vai ficar-vos deserta;
39 Porque eu vos digo que desde agora me não vereis mais, até que digais: Bendito o que vem em nome do Senhor.


Esse é um dos textos que os Arminianos usam frequentemente para atacar a doutrina bíblica da soberania divina, eleição, reprovação, e assim por diante.
Aqui eles afirmam que “o que Jesus queria não foi realizado porque as pessoas não estavam querendo”.
Supostamente isso mostra que o homem possui um livre arbítrio que pode se opor a vontade divina, de forma que o desejo de Deus pode finalmente ser frustrado e sua graça resistida com sucesso. Mas não é bem assim!

Alguns trechos, na Bíblia, parecem indicar que a vontade de Deus é frustrada. Não podemos entender isso porem, como frustração de sua vontade decretiva.

Por exemplo, compare Mateus 23:37, com Isaías 65:2. Vemos que apesar do desejo de Deus ser o recebimento de Jerusalém em seu seio, o seu plano já previa a pregação e a rejeição por um povo rebelde (Atos 4:27,28 e Atos 2:23).

O povo judeu, e os habitantes de Jerusalém, estando inclusos neste plano, rejeitaram a Cristo VOLUNTARIAMENTE. Sendo assim os planos de Deus não foram frustrados, mas cumpriu-se aquilo que foi determinado por Deus.
Quanto a isso Jó com toda convicção diz: “Bem sei que tudo pode, e nenhum dos seus planos pode ser frustrados”. Jó 42:2

Mas voltando ao texto de Mt 23:37. Aqui “Jerusalém” não se refere à cidade física, ou a toda pessoa considerada individualmente na cidade.
“Jerusalém” é dita ser aquela que “mata os profetas”, e no contexto aqueles que matariam os profetas são os líderes do povo – incluindo os escribas e fariseus.
Eles imitam seus antepassados que “assassinaram os profetas” V 29-32.

No versículo 34, Jesus diz que ele está preste a enviá-los profetas e mestres, e estes líderes iriam maltratá-los assim como os seus antepassados maltrataram os antigos profetas.
Quanto aos filhos no versículo 37, naturalmente eles eram pessoas que viviam sob a autoridade e direito destes líderes.
Lideres religiosos e políticos são algumas vezes chamados de “pais” na escritura (At 7:2; 22:1), e aqueles sobre quem eles exercem poder e influencia são chamados de “filhos” (Mt 12:27).

Então deveríamos compreender que o versículo 37 não pode se referir a disposição ou a fé de indivíduos para aceitar o evangelho, pois de outra forma o versículo deveria dizer: “ eu quis reunir vocês... mas vocês não quiseram”, ou “eu quis reunir seus filhos... mas seus filhos não quiseram”.
Mas o versículo diz: eu quis reunir teus filhos... e vós não quisestes!. Não foram os filhos que resistiram, mas “vós” “vocês” que resistiram para evitar os filhos de serem reunidos.
O versículo, portanto, está se referindo a mesma coisa já mencionada no versículo 13: “...Vós não entrais nem deixais entrar os que estão entrando”

Os arminianos ainda podem querer insistir no texto dizendo que Jesus quis reunir os filhos, e seu querer não foi realizado por impedimento do homem pois o texto diz: “quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos”
Porém o “quis eu” no verso 37 está se referindo ao relacionamento de Jesus com aqueles líderes e o povo deles sobre um nível humano e externo.

Não há nenhuma indicação neste versículo de que o desejo divino ou o decreto divino pode ser resistido com sucesso simplesmente porque alguém “não está querendo”.
A bíblia é clara sobre o ensino de que, se alguém está disposto é porque é porque Deus o tornou disposto (Jo 12:40; Rm 9:18), e se alguém está disposto é porque Deus o tornou disposto (Jo 6:44,65).

Ninguém que Deus torne indisposto pode vir a Cristo, e ninguém que Deus torne disposto pode recuar (Jo 6:37).
Amados, algo maravilhoso nesse texto nos chama atenção, que é a demonstração do amor, cuidado, proteção e misericórdia que é dispensada aqueles que são de Cristo.

Na leitura vemos o lamento de Cristo.
É um choro muito comovente de preocupação misericordiosa, que vem dum coração cheio de amor sincero do Salvador.
É uma figura linda a que o Senhor usa aqui. Cf.Sl.91.1-7. “Observem como age a galinha”. Dificilmente há algum animal que se interessa tanto em seus pequeninos. Ela troca sua voz natural e assume um chamado triste e lamentoso.

Ela procura e cisca na terra, e coage os pintinhos. Sempre que acha algo, não o come, mas o deixa aos pintinhos. Luta e alerta com toda a seriedade contra o gavião, e com muita boa vontade estende suas asas, e permite que seus pintinhos se escondam sob ela ou mesmo subam sobre ela.
É um quadro belo e agradável. Assim também Cristo assumiu uma voz triste, e lamentou por causa de nós e pregou o arrependimento, mostrou de coração a cada um seus pecados e desgraça, abriu as belezas das Escrituras.

Com amor nos persuade a entrarmos e nos permite comermos, e sobre nós estende suas asas com toda sua justiça, mérito e misericórdia, e nos abriga sob si de modo tão terno, aquece-nos com o seu calor, isto é, com seu Santo Espírito.

O cantor Belmiro Braga ,conta que, certa feita, à porta de uma vendinha, na roça, assistiu a uma cena impressionante. Uma tempestade era iminente. Vento forte, céu plúmbeo, poeira densa, tudo anunciava a aproximação da borrasca.
Ao longe, na estrada deserta, vinha uma galinha com sua ninhada. Queria um beiral, um canto onde escondesse a prole numerosa. Sua ansiedade era indisfarçável, mas não podia correr por causa dos passos miúdos dos filhinhos.
Abandoná-los naquela conjuntura seria negar o amor fraterno. A chuva caiu pesadamente antes que ela alcançasse um refúgio. Parou, abriu as asas, cobriu os filhos, fechou os olhos e esperou.
Da venda, alguns camponeses sentiam o drama da galinha, mas preferiram esperar também. Passando a tormenta, os roceiros foram ver de perto a galinha imóvel no meio do caminho. Ela estava morta, mas os filhinhos vivia sob a plumagem quente e amiga.

Jesus lembrou o amor maternal da galinha quando desejou falar aos judeus do seu imenso amor.
O calor, a proteção que os pintinhos têm sob as asas da mãe, o pecador desfruta sob os braços de Cristo, á sombra da sua cruz goza de tais bênçãos em sentido moral e espiritual, o que é muito mais importante.

Em Mt 23:37, na figura descrita, Jesus se coloca entre a cidade ameaçada e os seus inimigos. Isso indica que as asas da Onipotência Divina estão constantemente estendidas em nossa defesa a fim de nos livrar dos perigos que nos cercam.
O abrigo ilustra o mais alto grau da eterna condescendência de Deus para com os homens. Uma árvore pode abrigar o viajante do calor do sol; um escudo pode abrigar o soldado no dia da batalha; mas, só Cristo pode Se interpor entre nós e os perigos que nos cercam.

Cristo é o nosso refúgio, a nossa segurança.
A maior prova de amor e cuidado de Deus para com os homens, foi a morte de seu Filho na cruz: Ninguém tem maior amor do que este: de dar alguém a própria vida em favor dos seus amigos. João 15:13.

Louvemos sempre ao nosso Deus por ele ter nos escolhido antes da fundação do mundo. “Bem-aventurado aquele a quem Tu escolhes, e fazes chegar a Ti, para que habite em Teus átrios....” Salmos 65.4
* A eleição-escolha é feita por Deus, e não fica só nisto, uma vez escolhido.... Deus é que faz com que os eleitos cheguem até Ele...
Nele temos a proteção, no mesmo Salmo 65:5 diz: com tremendos feitos nos responde em sua justiça, ó Deus salvador nosso, esperança de todos os confins da terra.
Mas o quadro do ímpio é outro, Infeliz é aquele que não dá ouvido a voz de Deus. Jerusalém rejeitou a Jesus e o resultado desse endurecimento de coração, é descrito nos versículos 38, 39
“Eis que a vossa casa ficará deserta. Declaro-vos, pois, que desde agora, já não me vereis, até que venhas a dizer: Bendito o que vem em nome do senhor”.

Por volta de 70 d.C., Jerusalém seria cercada por exércitos, e uma desolação que sobrepujaria até mesmo a mais horrível imaginação ocorreria dentro de seus muros, sobre suas ruas, e até mesmo no templo.
A oportunidade para os judeus passou. Na segunda vinda de Cristo sobre as nuvens de glória, “todo olho o verá (AP1:7) “Bendito é aquele que vem em nome do Senhor” estará pois, em todos os lábios.
Então em sua gloriosa vinda, os que se arrependerem antes de morrer proclamarão a cristo com plenitude de alegria; os demais lamentarão com ranger de dentes, sem arrependimento.
Majestosa e radiante, porém será a glória de Cristo que todos serão impelidos a tributar-lhe homenagem. “Bendito o que vem em nome do Senhor”

Aquele que sempre nos protegeu e nos preteje debaixo de suas asas tal como a galinha ajunta os seus pintinhos, só que dessa vez seremos recolhidos para estarmos com ele e habitarmos como diz o Ap. Paulo num lugar incomparavelmente melhor.

Enquanto aqui estamos, sejamos fieis e submissos a sua palavra. amém

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Voz da Verdade, Marco Feliciano e heresias S.A.

O pregador Marco Feliciano é um homem que com o carisma e confiança que detém da grande massa evangélica mal informada, podendo utilizar destas prerrogativas para honrar a Bíblia Sagrada, suas doutrinas, e desta feita honrar ao nome de Jesus, usa de sua grande fama e poder de influência (principalmente sobre os jovens) para apregoar heresias, modismos e inovações que só trazem confusão, contendas e divisões para o seio ortodoxo que é a Assembléia de Deus.

Sua pública e notória admiração para com o herético Benny Hinn, de onde aprendeu seus exageros e aberrações “pentecostais”; sua mania de censurar os irmãos que não adoram conforme as suas extravagâncias nada neo-testamentárias, chegando ao ponto de chamá-los de frios, mortos espirituais e coisas do gênero; sua apregoação e concordância com modismos como “cair no Espírito”, “transferência de unção”, invocação de anjos (realizando uma verdadeira angelolatria), teologia da prosperidade (ele sabe bem mesmo o que é prosperar... $$$), visões e mais visões sem nenhum propósito; pregações que incitam a rebeldia contra líderes, os bons costumes e contra a sua própria denominação, além de várias heresias e modismos nada bíblicos, que na verdade não são objetos de uma análise neste momento, mas que apenas vêm a demonstrar o quanto este pregador de afastou dos moldes pneumatológicos bíblicos.

Agora para completar (e confirmar) sua participação e concordância com aquilo que se chama heresia, o pregador (e agora cantor) Marco Feliciano será preletor na festa em comemoração aos trinta anos do grupo musical Voz da Verdade, que acontecerá nos dias 18, 19 e 20 de abril, na estância Árvore da Vida em Sumaré – SP.

“Fiquei honrado com o convite para pregar nesta festa. Cantei os hinos do Voz da Verdade na mocidade de minha igreja quando aceitei a Cristo, e até hoje ouço e louvo a Deus com suas músicas”, afirmou o famoso pregador. http://www.marcofeliciano.com.br/site2007/materia.asp?MA_ID_MOD=345

Para quem não tem ciência, o grupo Voz da Verdade (e sua respectiva denominação eclesiástica) são Unicistas, ou seja, negam a Trindade, afirmando que existe apenas uma pessoa divina, qual seja, Jesus; sendo Jesus e o Pai a mesma pessoa, bem como o Espírito Santo e o Pai também são a mesma pessoa. Trocando em miúdos, eles crêem que o Pai, o Filho e o Espírito Santo são apenas uma pessoa, que é Jesus. Para eles não existe a Trindade, não existem as Três Pessoas distintas que formam o único Deus. Isso meus caros amigos, é o carro-chefe do que pregam as Testemunhas de Jeová, bem como outros grupos heréticos, como os mórmons e os adventistas, que negam a ortodoxa doutrina bíblica da Trindade, que convém relembrar ser um dos fundamentos doutrinários da fé cristã.

O grupo é um braço tão forte em defesa do Unicismo, que distribui gratuitamente o CD “O Mistério de Deus: Cristo”, aonde o pastor, compositor e guitarrista do conjunto, Carlos Alberto Moisés, juntamente com sua esposa Liliani, realiza uma apologia ferrenha em defesa da doutrina unicista.

O estatuto da Igreja Evangélica Voz da Verdade reza assim em algumas de suas partes:

“Quando a Bíblia se refere a Deus, está falando no Espírito Santo que é o Pai, Criador e Senhor de todas as Coisas... Jesus tanto é o Pai, como é o Filho...”. Ao comentar sobre a Trindade, assim explana o estatuto: “Teoria religiosa de intenção carnal e diabólica com o sentido de alimentar uma ilusão de Satanás que teve a pretensão de pluralizar a plenitude da divindade”.

Como podemos claramente perceber o grupo Voz da Verdade condena categoricamente a doutrina bíblica da Trindade, chamando-a de teoria religiosa, carnal e diabólica! Pelo menos eles foram sinceros!

Pelo o que se pode perceber pela leitura da matéria publicada no site do mega pregador, percebe-se claramente uma harmonia, concordância e irmandade cristã entre ele e o grupo Voz da Verdade, isto é inegável. Agora ficam as perguntas:

“Porventura andarão dois juntos, se não estiverem de acordo?” Am 3:3.

“Que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas? E que concórdia há entre Cristo e Belial? Ou que parte tem o fiel com o infiel?” 2 Co 6:14,15.

Quem tem conhecimento bíblico e sensibilidade espiritual sabe muito bem que heresias (quanto mais em relação à Trindade, ao nosso Deus!) não são pormenores da fé, algo simples que pode ser ignorado pela Igreja do Senhor. Elas são tão sérias que estão incluídas no rol das obras da carne (Gl 5:20), sendo “que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus” Gl 5:21. Deturpar e defraudar a pura Palavra de Deus não é algo simples, nem muito menos um pecadinho qualquer!

http://anchietacampos.blogspot.com/2008/02/voz-da-verdade-marco-feliciano-e.html

domingo, 30 de agosto de 2009

Vale a pena temer a Deus


SL 73

A nossa caminhada aqui não é fácil. Ser um cristão não é como diz os pregadores da prosperidade que "aceitando Jesus você viverá num mar de rosa". A bíblia diz que são muitas as tribulações dos justos.

Alguns servos de Deus diante dessas grandes lutas e provas têm questionado se vale a pena temer a Deus.

Olhamos para o ímpio, vemos sua prosperidade, sua alegria e liberdade embora aparente.

Mesmo assim às vezes afirmamos: “sou servo de Deus procuro viver uma vida de temor e minha vida não é fácil” esse daí vive a maldizer, blasfemar de Deus e tudo que querem consegue com facilidade. (isso vemos no SL 73)

Dai questão de muitos é se vale a pena ou não temer a Deus?

Temer a Deus significa respeitar, honrar e obedecer a sua palavra, isto é, aquele que teme a Deus procura desviar-se do mal, pois seu objetivo é agradar a Deus.

Aqui no SL 73 o salmista nos conta sua experiência. A experiência de Asafe,

Ele temia ao Senhor e procurava ter um coração limpo, fugia do mal e desviava-se do pecado.

Mas, todos os dias ele era aflingido, enfrentava provas tribulações, aflições e decepções. Mas era um homem temente a Deus.

Por outro lado ele olhava para a vida daqueles que não temiam a Deus e até blasfemavam do santo nome do Senhor; no entanto os via alegres, prósperos, rodeados de amigos, tudo lhes parecia correr bem.

Ele vendo esse paradoxo pelo pelos olhos da carne declarou: SL 73 v, 2,3
- Quanto a mim, os meus pés quase que se desviaram; pouco faltou para que escorregassem os meus passos.
- Pois eu tinha inveja dos néscios, quando via a prosperidade dos ímpios.

Isso mostra Visão fixada no presente, temporal, limitada. Não possuímos a perspectiva de DEUS.
Não podemos enxergar a razão de sua longanimidade. Muitas vezes ela está inserida nos "propósitos insondáveis de DEUS."

A amargura de Asafe pela injustiça da vida foi resolvida por duas considerações:

1- Ele considerou o "fim" dos ímpios e observou como Deus os tinha colocado em lugares escorregadios (17-20).

Os ímpios, às vezes, prosperam, mas a prosperidade deles tem vida relativamente curta. Considere o "sucesso" de Sodoma e Gomorra (Gênesis 19), Senaqueribe (2 Reis 19) e Herodes (Atos 12).

A boa fortuna dos ímpios é tão insegura como um sonho, e uma pessoa sensata nunca cobiça a riqueza dos sonhos.

2- Ele percebeu a bênção perfeita do cuidado, guia e glória do Senhor (23-26). "Quem mais tenho eu no céu? Não há outro em quem eu me compraza na terra. Ainda que minha carne e o meu coração desfaleçam, Deus é a fortaleza do meu coração e a minha herança para sempre" (25-26).

Ele repousou no que o Senhor era para ele: sua única satisfação e desejo. Em comparação, a prosperidade dos ímpios era nada.

Por isso, amados, diante da pergunta se vale a pena ou não temer a Deus a Resposta é sim.

Vale a pena temer a Deus
Queremos mostrar algumas razões pela qual vale a pena temer a Deus.

1ª - Nos dias de Noé o povo foi destruído por falta de temor, Noé e sua família foi salva por que temia a Deus

2ª – As cidades de Sodoma e Gomorra sem temor se afundava no pecado e atraiu a ira de Deus, “foi destruída com fogo”

Ló como era um homem temente, os anjos do Senhor avisaram para ele sair com sua família antes da destruição. (na saída a esposa de ló por falta de temor foi morta)

3ª – Quando Deus mandou o profeta Jonas avisar a cidade de Nínive que dentro de 40 dias ela seria destruída por causa dos seus pecados;
Os moradores daquela cidade começando pelo Rei, encheram-se do temor de Deus e arrependidos clamavam por misericórdia e foram salvos da total destruição.

Vale a pena temer a Deus!

II - O TEMOR DO SENHOR DEVE SER CONSTANTE E NÃO APENAS TEMPORÁRIO PV 28:14

A) Não é só quando estamos no Templo (IS 1:12) “o só pisar nos átrios”

B) Não é só quando tudo nos vai bem.

C) Deve ser prioridade e constância para o homem sábio SL 111:10


III – Deus quer que sirvamos a Ele com Santo Temor (Heb 12:28)

a) isso significa uma correta apreciação da pessoa de Deus

b) nossa aproximação de Deus não deve refletir medo de ser castigado, mas sim o amor e consciência de que sem Ele nada podemos fazer. (nossa incapacidade) SL73 v 3

Vale a pena temer a Deus, esse temor não consiste num terror desconfiado de Deus, Mas antes é a Admiração reverente e a resposta em adoração da fé ao Deus que se revela. Como criador,salvador e Juiz.

O temor a Deus é tão necessário quanto alimentar-se e o vestir-se!

Quando se toma posse desta realidade e a exercita continuamente, é possível vencer o mal, as tentações e contemplar a glória do Pai.

IV- O homem temente a Deus é:

a) Agradável a Deus
"Agrada-se o SENHOR dos que o temem e dos que esperam na sua misericórdia." (Sl 147.11);

b) Tem Sua Compaixão
"Pois quanto o céu se alteia acima da terra, assim é grande a sua misericórdia para com os que o temem... Como um pai se compadece de seus filhos, assim o SENHOR se compadece dos que o temem... Mas a misericórdia do SENHOR é de eternidade a eternidade, sobre os que o temem, e a sua justiça, sobre os filhos dos filhos," (Sl 103.11,13,17)
"A sua misericórdia vai de geração em geração sobre os que o temem." (Lc 1.50)

c) Aceito
"aquele que o teme e faz o que é justo lhe é aceitável." (At 10.35);

d) Abençoado
"Aleluia! Bem-aventurado o homem que teme ao SENHOR e se compraz nos seus mandamentos." (Sl 112.1)
"Ele abençoa os que temem o SENHOR, tanto pequenos como grandes." (Sl 115.13);

e) Confiante
"Confiam no SENHOR os que temem o SENHOR; ele é o seu amparo e o seu escudo." (Sl 115.11)
"No temor do SENHOR, tem o homem forte amparo, e isso é refúgio para os seus filhos." (Pv 14.26);

f) Inimigo do Mal
"Pela misericórdia e pela verdade, se expia a culpa; e pelo temor do SENHOR os homens evitam o mal." (Pv 16.6);

g) Agradável no Falar
“ - Então aqueles que temeram ao SENHOR falaram freqüentemente um ao outro; e o SENHOR atentou e ouviu; e um memorial foi escrito diante dele, para os que temeram o SENHOR, e para os que se lembraram do seu nome.." (Ml 3.16);

H) Dias Prolongados
"O temor do SENHOR prolonga os dias da vida, mas os anos dos perversos serão abreviados." (Pv 10.27).


CONCLUSÃO

“Temer a Deus” é, portanto, Reverenciar ou Respeitar ao Criador.

E este sentimento de Reverência e Respeito é uma prática que deve ser desenvolvida pelos Servos do Senhor. Todos aqueles que querem viver uma vida santa e irrepreensível deve observá-las, esta é uma ordem.
Veja: O QUE A BÍBLIA DIZ ;

Dt 13.4 "Andareis após o SENHOR, vosso Deus, e a ele temereis; guardareis os seus mandamentos, ouvireis a sua voz, a ele servireis e a ele vos achegareis."

Sl 22.23 "vós que temeis o SENHOR, louvai-o; glorificai-o, vós todos, descendência de Jacó; reverenciai-o, vós todos, posteridade de Israel";

Ec 12.13 "De tudo o que se tem ouvido, a suma é: Teme a Deus e guarda os seus mandamentos; porque isto é o dever de todo homem."

sábado, 22 de agosto de 2009

VIDA DE RENÚNCIA


Mateus 16:24
O contexto imediato é mais solene e impressionante. O Senhor Jesus tinha acabado de anunciar aos Seus apóstolos, pela primeira vez, a aproximação de Sua morte de humilhação (v. 21). Pedro se assustou, e disse, “Tem compaixão de Ti, Senhor” (v. 22). Isto expressou a política da mente carnal.

O caminho do mundo é a procura para si mesmo e a defesa de si mesmo. “Tenha compaixão de ti” é a soma de sua filosofia.

Mas a doutrina de Cristo não é “salva a ti mesmo”, mas sacrifica a ti mesmo. Cristo discerniu no conselho de Pedro uma tentação de Satanás (v. 23), e imediatamente a rejeitou.

Então, voltando-se para Pedro, disse: Não somente “deve” o Cristo subir à Jerusalém e morrer, mas todo aquele que desejar ser um seguidor dEle, deve tomar sua cruz (v. 24).

A vida cristã começa com um ato de auto-renúncia, e é continuada pela auto-mortificação (Romanos 8:13). A primeira pergunta de Saulo de Tarso, quando Cristo o apreendeu, foi, “Senhor, que queres que eu faça?”.

A vida cristã é comparada com uma “corrida”, e o corredor é chamado para “deixar todo embaraço e o pecado que tão de perto nos assedia” (Hebreus 12:1), cujo “pecado” é o amor por si mesmo, o desejo e a determinação de ter o nosso “próprio caminho” (Isaías 53:6).

O grande alvo, fim e tarefa posta diante do Cristão é seguir a Cristo — seguir o exemplo que Ele nos deixou , e Ele “não agradou a si mesmo”

Quando Jesus esteve aqui neste mundo, no exercício de seu ministério público, muitas pessoas procuravam desejosas de segui-lo.

Porém quando Jesus expunha as condições exigidas aos seus seguidores, não eram poucos os que desistiam entristecidos.

Vemos alguns exemplos em Lucas 9 57- 58
- Alguém lhe disse: Senhor seguir te para onde quer que fores, Jesus lhe respondeu: “As raposas tem covis e as aves do Céu ninho, mas o filho do homem não tem onde reclinar a cabeça.

Já podemos imaginar a expressão daquele homem.
“será que ele é mais pobre que uma raposa ou um pardal”

Em Lucas 9:59-60 vemos que a outro Jesus disse: segue-me;
A resposta do homem foi a seguinte: “permite-me ir primeiro sepultar meu pai”
A prioridade daquele homem estava no seu pai.

A palavra de Deus em Mt 6:33 diz: “buscai pois em primeiro lugar o Reino de Deus e sua justiça”

E diz mais que aquele que não deixar pai, mãe, irmão, família por amor de mim, não é digno de mim.

Ainda no Cap 9 de Lucas nos versículos 61 e 62 vemos outro que dizia
“seguir-te-ei Senhor, mas deixa-me primeiro despedir-me da minha família.”

A prioridade deste homem estava na família, assim como nos dias de hoje muitos estão apegados a tradição à religião dos pais ou da família.

Já podemos também imaginar também a face daquele homem diante da resposta de Jesus que disse: “Ninguém que tendo posto a mão no arado e olha para traz é apto para entrar no reino de Deus.”

Já em Mateus 19:16, vemos um jovem muito rico mostrando-se desejoso de salvação e de desfrutar a vida eterna.

“bom Mestre, que farei eu de bom para herdar a vida eterna...”
**********
Diante da resposta de Cristo, o Jovem baixou a cabeça e saiu!!!!

Com essa atitude, aquele jovem provou ser avarento, amar mais o dinheiro, os bens materiais do que a Deus. Preferindo ir para o inferno do que renunciar as coisas terrenas.

As condições exigidas por Jesus não lhe foi agradável.

Como estes homens que dos quais falamos existe muitas pessoas que não compreendem que a vida cristã é uma vida de renúncia.

Sobre isso o texto que lemos no início M16:26 diz: se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, tome sua cruz e siga-me.

É lamentável ver no meio do povo que se diz povo de Deus, pessoas que não entende o que é uma vida de renuncia.

“dizem sou evangélico” mas suas vida é a mesma de antes, não há mudança de caráter, nada mudou. Vemos muitos artistas na TV usando o título de evangélico. Não só na TV, mas as vezes dentro das igreja, pessoas que mudaram apenas de religião, mas o caráter mundano é o mesmo.

A bíblia diz em 2 Coríntios 5:17, se alguém está em Cristo é uma nova criatura, as coisas velhas já se passaram, eis que tudo se fez novo.

Mas as vezes vemos que nem tudo se fez novo na vida de alguns que ainda não renunciaram o costume do velho homem.
Raízes que ficaram do velho homem que não foram arrancadas.

Quando vivemos no mundo com o espírito do mundo, tornamo-nos improdutivos e sem nada para oferecer.

Como cristãos fomos chamados a romper com esse espírito mundano.
1ªPE 1:13-16 diz: - Portanto, cingindo os lombos do vosso entendimento, sede sóbrios, e esperai inteiramente na graça que se vos ofereceu na revelação de Jesus Cristo;
- Como filhos obedientes, não vos conformando com as concupiscências que antes havia em vossa ignorância;
- Mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver;
- Porquanto está escrito: Sede santos, porque eu sou santo.

Deus é santo e exige dos seus adoradores, santidade, fidelidade, lealdade nas suas adorações.

Ele exige:
a) um perfeito louvor_ Com os lábios e com a vida
b) um culto racional_ RM 12:1,2
c) uma adoração em espírito e em verdade. João 4:23,24

Tanto uma vida de santidade, um perfeito louvor, um culto racional como uma adoração em ,espírito e em verdade só se é possível se tiver uma vida de renuncia. Ou seja, Negar a si mesmo.

O que significa para um homem “negar a si mesmo” totalmente?

1- Primeiro, isto significa a completa repudiação de sua própria bondade. Significa cessar de descansar sobre quaisquer obras nossas, para nos recomendar a Deus.
Significa uma aceitação sem reservas do veredicto de Deus que “todas as nossas justiças [nossas melhores performances], são como trapo da imundícia” (Isaías 64:6).

2- Para um homem “negar a si mesmo” totalmente, deverá renunciar completamente sua própria sabedoria. Ninguém pode entrar no reino dos céus, a menos que tenha se tornado “como criança” (Mateus 18:3). “Ai dos que são sábios a seus próprios olhos e prudentes em seu próprio conceito!” (Isaías 5:21). “Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos” (Romanos 1:22).

3- Para um homem “negar a si mesmo” totalmente, deverá renunciar completamente sua própria força. É “não confiar na carne” (Filipenses 3:3). É o coração se curvando à declaração positiva de Cristo: “Sem mim, nada podeis fazer” (João 15:5). Este é o ponto no qual Pedro falhou: (Mateus 26:33). “A soberba precede a ruína, e a altivez do espírito precede a queda” (Provérbios 16:18).

4- Para um homem “negar a si mesmo” totalmente, deverá renunciar completamente sua própria vontade. A linguagem do não-salvo é, “Não queremos que este Homem reine sobre nós” (Lucas 19:14). A atitude do cristão é, “Para mim, o viver é Cristo” (Filipenses 1:21) — honrá-Lo, É dizer com Cristo, “Não seja, porém, o que eu quero, mas o que tu queres”

5- Para um homem “negar a si mesmo” totalmente, deverá renunciar completamente suas luxúrias ou desejos carnais.

“O ego do homem é um feixe de ídolos” (Thomas Manton, Puritano), e estes ídolos devem ser repudiados.

Os não-cristãos são “amantes de si mesmos” (2 Timóteo 3:1); mas aquele que foi regenerado pelo Espírito diz com Jó, “Eis que sou vil” (40:4), “Eu me abomino” (42:6).

Dos não-cristãos está escrito, “todos buscam o que é seu e não o que é de Cristo Jesus” (Filipenses 2:21); mas dos santos de Deus está registrado,“eles não amaram a sua vida até à morte” (Apocalipse 12:11).

Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo (Renuncia) tome a sua cruz e siga-me.
Tome a sua cruz”. Isto se refere não à cruz como um objeto de fé, mas como uma experiência na alma.

Tomar minha “cruz” significa uma vida voluntariamente rendida a Deus.

A “cruz” significa serviço vicário e sofrimento. Cristo deu a Sua vida pelos outros, e Seus seguidores são chamados a estarem dispostos para fazerem o mesmo: “Devemos dar nossa vida pelos irmãos” (1 João 3:16).

Esta é a lógica inevitável do Calvário. Somos chamados para seguir o exemplo de Cristo, para a companhia de Seus sofrimentos, e para ser participantes em Seu serviço.

Assim como Cristo “a si mesmo se esvaziou” (Filipenses 2:7), assim devemos fazer. Assim como Ele “veio para servir, e não para ser servido” (Mateus 20:28), assim devemos ser.

Isso é glorioso, há um hino intitulado a mensagem da cruz, seu refrão há uma parte linda que diz:
“Levarei eu também minha cruz, te por uma coroa trocar.”

Que o Senhor nos ajude a estarmos sempre dispostos a renunciar a nós mesmos e com alegria e disposição tomarmos a nossa cruz e seguirmos os passos de Jesus.

sábado, 15 de agosto de 2009

DOIS TIPOS DE CONSTRUTORES


Mt 7:24-26
Aqui vemos a parábola dos dois construtores.
Os melhores mestres da antiguidade transmitiam seus ensinos por meio de parábola.
A parábola é como uma luz que clareia ilustra a mensagem.

Jesus durante os seus três anos e meio de ministério apresentou mais de 50 parábolas.
E por traz de cada uma dela estava a revelação de algo maravilhoso.

No texto que lemos Jesus apresenta a parábola dos dois tipos de construtores.
O construtor prudente e o construtor insensato. (O sábio e o louco)

Esta parábola se aplica a todos que já ouviram ou ouve as palavras de Jesus.

Cada pessoa que já ouviu ou ouve as palavras de Jesus, de acordo com a posição que adotar estará revelando que tipo de construtor ela é diante do Senhor (prudente ou insensato)

Na parábola que lemos ambos os homens mencionados são construtores, pois viver significa construir ou edificar.

Cada ambição que o homem acaricia, cada pensamento que ele concebe cada palavra que ele pronuncia e cada obra que ele realiza é, por assim dizer um tijolo da construção.

Gradualmente a estrutura da sua vida se eleva. Contudo nem todos os construtores são iguais. Alguns são sábios, outros são insensatos.
Aqui Jesus fala primeiramente sobre o modo como o homem sábio construiu a sua casa, ou seja sobre a rocha;

Em segundo lugar a prova a qual a casa foi submetida;

E em terceiro lugar sobre o resultado dessa prova e a razão para esse resultado.

Ele segue a mesma seqüência com respeito ao homem insensato e a casa que ele construiu.

Em sua explanação da parábola Jesus realça que o significado figurativo do alicerce é “minhas palavras”. Cristo é a Rocha. Sua palavra tem autoridade Suprema.

Antes de falarmos das características dos dois construtores queremos falar das características das palavras de Jesus.

I – CARACTERISTICAS DAS PALAVRAS DE JESUS.

Quando falamos das palavras de Jesus estamos falando da palavra de Deus e por isso sã palavras que possuem características importantíssimas.

Vejamos algumas dessas características:

1- São fieis e verdadeiras (Ap 22:6)
Não se trata de um livro segundo homens, Kardec, buda , Smite, Elem wayit, não Mas trata-se do Evangelho de Jesus Cristo que é poder de Deus para salvação de todo que crer.

2- É espírito e vida (João 5:24)

3- São Eternas (Mt 24:35)

4- É Lâmpada e luz (Sl 119:105)

5- É antídoto (remédio) contra o pecado (SL 119:11)

6- São infalíveis. (1ª Rs 8:56)

Poderíamos citar outras características importantes da palavra de Deu, mas por enquanto essas aqui citadas dão para compreender a preciosidade dessa palavra e daí a importância de sermos praticantes dessa verdade!

Seguindo a leitura que serve de base para essa mensagem vamos ver as características dos dois construtores.

II- CONSTRUTOR PRUDENTE
Já vimos como são maravilhosas as características das palavras de Jesus.

Foi por esssas razões que o Senhor Jesus declarou que os que praticam são comparados a construtores prudentes.
Que constrói sobre a Rocha! V. 24,25.

Vejamos algumas razões porque são sábios os que praticam as palavras de Jesus.

1- Não são mais escravos do pecado. (Jo 8:32,36)

2- Andam na fidelidade e na verdade. (João 17:17)

3- Passaram da morte para a vida (João 5:24)

4- São convidados a passarem a eternidade no Céu (Mt 25:34)

6- Tem convicção de sua fé. Não se abalam diante o temporal. (v 25 )
Isso significa que sua casa está construída na rocha, sua vida está bem fundamentada. O seu fundamento é Cristo. (I Coríntios 3 : 11)

Voltemos a Mateus 7:25 "e caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram com ímpeto contra aquela casa, que não caiu, porque fora edificada sobre a rocha."

Quando o vento sopra, amados, se a nossa casa não estiver firme sobre a Rocha, bem construída, bem alicerçada, bem fundamentada, teremos problemas.

Todos nós passamos por dificuldades na vida. Jesus disse: ‘no mundo passais por aflições.’ Muitas são as aflições do justo. Aqueles que vivem piedosamente são perseguidos.

O vento sopra contra a vida de todos, mas, só permanece de pé quem tem a sua vida sobre a Rocha. (em Cristo)

O que significam vento, chuva e rios? Significa que, às vezes, a turbulência vem por cima, ao redor e por baixo dos alicerces.

O que significa “chuva”? Representa as aflições temporais. Sabe aquela chuva de verão, que vem forte e, de repente, pára? São as aflições temporais.

Quanto aos “rios”? podemos dizer que são os maltratos vindo por parte de outros homens, de alguém que difama, calunia ou fala alguma coisa contra nós.

Ou, então, alguém que tenta manchar a nossa imagem, alguém em quem nós confiamos, mas que nos deu uma punhalada pelas costas.

O que são “ventos”? Ventos são as ciladas do inimigo que se levantam contra nós para nos afastar da verdadeira fé.
Tentações, ilusões, falsos ensinamentos, heresias.

A bíblia em EF 4:14 nos adverte “Para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo o vento de doutrina, pelo engano dos homens que com astúcia enganam fraudulosamente.”

Em outras partes na bíblia vemos que os ventos estão também ligados a tribulações, tormenta, tempestade, tribulações ou coisa parecida.

Tudo isso pode acontecer na vida de qualquer um: as aflições temporais, o maltrato por parte de alguém, as tentações e ataques dos falsos mestres.

Mas, se a nossa casa estiver bem firmada e fundamentada não cairemos.

Agora, veja o oposto. Mateus 7:26: "E todo aquele que ouve estas minhas palavras e não as pratica será comparado a um homem insensato que edificou a sua casa sobre a areia;".

III- CONSTRUTORES INSENSATOS

Não há loucura maior do que alguém construir uma casa sobre a areia, sem alicerce.
A bíblia mostra a tragédia na construção deste construtor insensato. V 26,27 (insensato é louco, insano)

Quem é o insensato? É aquele que não pensa no futuro, nas possíveis inundações. O versículo 26 fala que este edifica a sua casa sobre a areia. O primeiro edifica sobre a Rocha.

Rocha é firmeza, é estabilidade. O segundo é o oposto: ouve a Palavra e não pratica, constrói a sua vida sobre a areia, ou seja, é a pessoa que não prepara o seu terreno e, de repente, percebe que a areia é traiçoeira, não dá firmeza, não dá herança.

O que mais é areia? As falsas doutrinas, os lobos vorazes, que tentam iludir e enganar o povo de Deus, o mundo com as suas enganações, com as suas ilusões: ‘Olhe, venha, prove um pouquinho. Olhe, não vai viciar não.

Venha. Faça isso; a esposa não está vendo, o seu marido não está vendo. Olhe, curta a vida, pinte e borde, faça o que der na “telha”.’ Isso é a “areia do mundo”.

Os filhos de Deus, que estão sem fundamento, não ouvem a Palavra, não praticam, estão construindo a vida sobre a areia. Um dia, o rio transborda, há uma inundação e começa a gotejar.
Vai a goteira gotejando, gotejando e, de repente, a casa desmorona.

Em Colossenses 2:8, diz assim: "Cuidado que ninguém vos venha a enredar com sua filosofia e vãs sutilezas, conforme a tradição dos homens, conforme os rudimentos do mundo e não segundo Cristo;".

Vamos analisar as razões desta loucura.

1 - Preferem viver na infidelidade, na desobediência.

2 – Não se dar por conta o perigo de desabamento de sua construção.

Tiago 1:22 diz: "Tornai-vos, pois, praticantes da palavra e não somente ouvintes, enganando-vos a vós mesmos."

Quem ouve a Palavra e não a pratica é somente um ouvinte, está se enganando, aliás, está perdendo tempo da sua vida.

Estamos convictos de que estamos construindo bem a nossa vida? Com fundamento sólido para o nosso futuro? Com alicerces fortes?

Se estamos praticando as palavras de Jesus, O vento não pode nos derrubar, a chuva não pode nos derrubar, o rio não pode nos derrubar! Estamos firmes, estamos seguros em Deus e Ele é fiel! Deus é fiel!’

Pr Davi Buriti

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

LEMBRAI-VOS DA MULHER DE LÓ


Lc 17:32

As pessoas que levam a sério os avisos e as advertências, são pessoas que revelam-se obedientes.

A Bíblia ensina que para Deus é melhor obedecer do que sacrificar.

A escritura está repleta de fatos que revelam a obediência de homens e mulheres de Deus. Fatos estes que são dignos de serem imitados.

Por outro lado, ela (a bíblia), também relata acontecimentos onde aparece estampada a desobediência de algumas de suas personagens, como por exemplo, a que serve de base para nossa mensagem, a Mulher de Ló.

Foi tão sério o castigo recebido por essa mulher que levou Jesus a advertir-nos dizendo: “Lembrai-vos da mulher de Ló”.

A esposa de Ló professava a verdadeira religião: seu marido era um "homem íntegro" (2 Pedro 2:8). Ela deixou Sodoma com ele no dia da sua destruição; ela olhou para trás, em direção a cidade, em desobediência a ordem expressa de Deus;

Ela morreu imediatamente, transformando-se em uma estátua de sal. E o Senhor Jesus Cristo a utiliza como exemplo para Sua igreja; Ele diz: "Lembrai-vos da mulher de Ló".

É uma advertência solene, quando consideramos a pessoa que Jesus menciona. Ele não nos convida a lembrar de Abraão, ou Isaque, ou Jacó, ou Sara, ou Ana, ou Rute. Não! Ele escolhe alguém cuja alma estava perdida para sempre.

Ele clama a nós: "Lembrai-vos da mulher de Ló".
É uma advertência solene, quando nós consideramos sobre o tema de Jesus. Ele está falando da Sua segunda vinda, quando virá julgar o mundo; Ele está descrevendo o estado terrível de despreparo no qual muitos serão achados.

Os últimos dias estão na Sua mente, quando Ele nos diz: "Lembrai-vos da mulher de Ló".

Veremos a seguir o que consistiu a desobediência dessa senhora.

Em primeiro lugar,

I- O SEU TESOURO ESTAVA EM SODOMA.

1- Seus bens era para ela mais importante do que a própria vida

2 – Deu mais ouvido a voz da avareza do que a voz dos mensageiros de Deus (os anjos)

3 – Jesus ensinou que aonde estiver o tesouro de uma pessoa ali também estará o seu coração. MT 6:19,21 o tesouro da mulher de ló não estava no céu, mas em Sodoma.

4 - Ela deixou-se influenciar pelo mundanismo, seu esposo ló era um homem justo, não concordava com o viver dissoluto dos sodomitas; pelo contrário afligia-se diante do que via e ouvia.

5 - Sua desobediência custou o preço da própria vida. Foi transformada numa estátua de sal. Ficou imobilizada, estática.

EM SEGUNDO LUGAR

II – ELA DESOBEDECEU A AUTORIDADE DIVINA

1- A Bíblia adverte: “Deus não se deixa escarnecer...”(Gl 6:7)
Se desobediência as autoridades terrenas implica em castigo, quanto mais desobedecer a Deus .

2- A bíblia adverte: mais horrenda coisa é cair na mão do Deus vivo (Hb 10:39)

3- Com a sua tomada de posição e rebeldia, ela desrespeitou a autoridade suprema.

4 – Toda desobediência tem seu preço.
Quando os homens desobedecem as autoridades seculares recebem a justa punição aqui neste mundo.

Desobedecer a Deus implica em punição aqui e na eternidade.
O castigo eterno ou inferno onde chamamos da manifestação da ira de Deus aos filhos da desobediência é o lugar preparado para o ímpio.

Quanto aqueles que não são destinados para esse fim, o senhor repreende castiga e chama a obediência.

EM TERCEIRO LUGAR

III – A MULHER DE LÓ TORNOU-SE O SIMBOLO DA DESOBEDIÊNCIA

1- Enquanto Jesus diz que nós somos sal da terra e luz do mundo, a mulher de Ló tornou-se um sal imprestável para ser usado.

2 – enquanto a bíblia recomenda que o crente deve ser exemplo dos fieis, a mulher de Ló tornou-se exemplo dos infiéis.

3 - a sua desobediência causou profunda tristeza a seu esposo e filha.
O desobediente entristece a igreja, seus membros, e o próprio cristo que é o noivo da igreja.

4 – Por não terem sua mãe ao seu lado para orienta-las, antes vendo seu péssimo exemplo, suas filhas se prostituíram com seu próprio pai.

A punição divina aplicada a mulher de ló, deve servir de advertência para nós hoje.

CONCLUSÃO

Esperamos que as advertências do senhor Jesus sirva de exemplo para cada um de nós.

Procuremos ser obedientes a Deus em tudo, colocando o nosso coração não nos tesouros terrenos mas no nosso tesouro que está nos Céus.

Pr Davi Buriti

terça-feira, 11 de agosto de 2009

Silas Malafaia e o G12


Silas Malafaia e o G12

Aos poucos os evangélicos vão caindo na real e se tornam protestantes!

Louvo o artigo de João Flávio Martinez, que corajosamente "tocou" nos "intocáveis".

Eis o texto, divulguem:

Durante o Congresso Passando o Manto com líderes da Visão celular como; Apóstolo René Terra Nova , Apóstola Valnice Milhomens e Profeta Dr. Morris Cerullo e Rev. Dr. Mike Murdock, entre outros, o pastor Silas Malafaia pediu PERDÃO a Apóstola Valnice. O perdão seria pelas ofensas, agressões verbais e calúnias que liberou durantes muitos anos por causa da Visão do G12. Após essa atitude, a multidão liberou brados extravagantes e muitas lágrimas diante dessa tão “maravilhosa” atitude. Sem esquecer que no mesmo dia, Silas abraçou reconciliando-se com os ministros do Ministério Trazendo a Arca (ex-Toque no Altar), a quem havia exortado como rebeldes em uma de suas pregações.

Hoje Silas está envolvido com a Visão do G12 - visão que ele chamou de coisa do diabo - e com o líder primaz desse movimento no Brasil, René Terra Nova. Veja o que diz um site do movimento G12 sobre essa questão: “... sem esquecer-se do perdão que ele pediu ao Apóstolo René em um encontro de pastores nos EUA” – Isso sim é tremendo!!! Silas, como sempre, muda de idéias e de conceitos facilmente como quem muda de roupa. Antes era contra a doutrina da prosperidade e hoje vive elogiando o Profeta Morris Cerullo e o Rev. Mike Murdock; vivia condenando a doutrina do G12 e hoje vive elogiando e pegando carona nesses congressos celulares.

Diz uma fonte do G12 sobre Silas Malafaia e seu arrependimento: Nosso Apóstolo René Terra Nova e o pastor ASSEMBLEIANO anti-g12 Silas Malafaia, que até um tempinho atrás era nosso acusador principal, que nos condenava e caluniava sabatinamente por coisas que nem nós mesmos conhecemos, agora se deixa fotografar ao lado com nosso amado Apóstolo. O mesmo participará de um congresso com o Apóstolo René em Brasília - DF em julho deste ano. Que mudança para quem disse que nunca dividiria o mesmo púlpito ou altar com gedozista. Incrível!Toda essa novidade só me faz entender algo: René sempre foi um grande homem de Deus, um profeta legítimo; O G12 nunca foi algo do diabo ou coisa assim, pois somente algo vindo de Deus para sobreviver tantos ataques e continuar firme; e que o pastor Silas é maleável demais, hoje diz algo, condena e amanhã aplaude, aprova e respeita, e quem sabe mais tarde um pouco, seguirá. (http://diariodeumprofeta.blogspot.com).

Conclusão:

O que percebemos é que o Pr. Silas Malafaia se perdeu nessa questão e pendeu-se para o lado de movimentos e pessoas heréticas. Lamentamos, pois tínhamos nele uma pessoa salutar ao evangelho, mas hoje fica difícil de sustentar esse mesmo sentimento em relação ao referido pastor. Oremos! [E publiquemos!]

[Eu já sabia!]
http://frasesprotestantes.blogspot.com/2009/02/silas-malafaia-e-o-g12.html

sábado, 18 de julho de 2009

O viver é Cristo e o morrer é lucro


(Filipenses 1:21).

“Porquanto, para mim, o viver é Cristo, e o morrer é lucro.”

Aqui está um grande exemplo de convicção da fé e amor pela obra de Deus.
O apóstolo Paulo, ao afirmar que lucraria com a morte, tinha como respaldo a certeza absoluta de uma vida eterna com Cristo.

Paulo não estava invocando para si a morte por uma fuga desesperada. Ele estava anelando estar com o seu Senhor Jesus, a quem ele conhecia bem de perto e, por conseguinte, ansiava desfrutar da sua companhia em um novo tabernáculo não degenerável, o que é naturalmente o ardente desejo de todo crente.

Para todos aqueles que “foram salvos”, a morte representa uma ponte para a cidade santa. Por outro lado, aqueles que morrem sem Cristo, a morte representa a ponte para o tormento eterno onde a ira de Deus é derramado sobre os filhos da desobediência. Falaremos sobre isso.

As palavras aqui no texto lido, assim como todas as palavras ditas pelo apostolo Paulo, são palavras que de fato nos leva a uma reflexão.

O Missionário Ashbel Green Simoton conta algo interessante.

Simonton foi o primeiro Missionário presbiteriano a vir para o Brasil; formou-se em Teologia em Princiton em 1858. Em 1859 chegou no Rio de Janeiro e em 1862 foi organizada a primeira igreja Presbiteriana naquela cidade.

Simonton casou-se em 1863 e ficou viúvo em 1864.
Simonton pastoreou aquela igreja por 3 anos, ele morreu em 1867 em são Paulo acometido de Febre amarela.

Nos seus escritos ele conta que em suas visitas conversava com uma senhora e leu essa passagem bíblica de Filipenses (Passagem do Apostolo Paulo).

A mulher olhando para ele disse: vejo que o padre a quem me consultei ultimamente tinha razão em dizer-me que “o apostolo Paulo era o predileto dos que se dizem evangélicos”. (Simonton achou agradável esse elogio)

De fato, nos ensinos de Paulo encontramos a perfeita doutrina da salvação, porém isso não basta para merecermos esse elogio que o padre fez.
Simonton dizia: precisamos por em prática doutrina que ele perfeitamente nos apresenta. (Paulo diz em 1ª Corintios 11:1 sede meus imitadores...)

O texto que lemos no início, Fl 1:21, o apostolo Paulo diz: “por quanto para mim o viver é Cristo e o morrer é lucro.
Paulo estava na prisão quando escreveu esta carta aos Filipenses.
A perseguição era intensa aos cristãos que pregavam o evangelho.

Acoites, prisões, mortes. Paulo sabia muito bem o procedimento dos perseguidores. (Ele tinha sido um perseguidor cruel, Mandou matar Estevão) e agora ele sente na pele que é ser perseguido.

No entanto ele escreve aos Filipenses, não para se lamentar, mas para confortar e incentivar os irmãos a lutarem juntos pela fé evangélica (V 27)
E assim, quanto mais se matava crente mais surgiam outros.

Não tinha como parar a obra do Senhor. As prisões, os acoites e até a morte dos cristãos servia para o progresso do evangelho. V. 12-14.

Paulo tinha o desejo é claro de sair da prisão para pregar o evangelho; no entanto a sua paixão não era morrer nem viver, mas ele queria de uma forma ou de outra ver o nome do Senhor sendo engrandecido.

Por isso ele diz no verso 21 “para mim o viver é cristo e o morrer é lucro”.
Se ele morresse estaria com Cristo, se continuasse a viver estaria trabalhando para o progresso do evangelho. (v 22,23).

Quando o Apostolo afirma de forma tão enfática no verso 21 “para mim”, pondo a expressão logo no início da frase, ele está dando um testemunho pessoal, e ao mesmo tempo estabelecendo um contraste entre ele mesmo e aqueles a quem ele se refere nos versos 15-17, e que sem dúvida ainda os tinha presente em sua mente, a saber os pregadores “que pregam a Cristo por discórdia”.

Paulo pois ao contrário deles não é egocêntrico, e, sim, Cristocêntrico.
A sua maior preocupação é a honra e a glória do seu incomparável Redentor.

Por isso ele diz “para mim o viver é Cristo” com essa expressão ele podia ter em mente: a humildade e a disposição de Cristo; cobrir-se com a justiça de Cristo; Regozijar-se em Cristo; viver para Cristo, ou seja para sua glória.

Ainda nesse verso 21 ele diz “E o morrer é lucro” é ganho, morrer fisicamente significa ganho para Paulo, significa que ele estará realmente com Cristo.(v 23), “estará em casa com o Senhor”. 2ª CO 5:8

Mas, Lucro ou ganho para Paulo, compreende que está associado a lucro ou ganho para a causa de Cristo. A morte seria um ganho distinto, pois seria a porta de ingresso para um conhecimento mais pleno de cristo.

Será que podemos dizer o mesmo e com a mesma convicção:
“para mim o viver é Cristo e o morrer é lucro”

Como seria essa realidade para com o ímpio e para com o justo?

1- Para o ímpio o viver é passageiro. Para eles:
A vida consiste apenas nas coisas terrenas, deste mundo. 1ª Jo 2:17
* No dinheiro
* Na fama
* Nos Prazeres

2- Para o homem infiel, o morrer é desespero.
A morte para o ímpio representa a ponte para o tormento eterno onde a ira de Deus é derramado sobre os filhos da desobediência. Colossens.3:5
Fazei, pois, morrer a vossa natureza terrena: prostituição, impureza, paixão lasciva, desejo maligno e a avareza, que é idolatria;
6 por estas coisas é que vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência.

* Condenação - João 5:28,29

* Sofrimento eterno - Lc 16:19

Agora para os eleitos que foram escolhidos por Deus para a salvação, estes que reconhecem a Jesus como único e suficiente salvador, para estes a história é diferente.

3- Para o justo, o viver é Cristo
a) Sua prioridade é o reino de Deus (Mt 6:33)

b)Tudo o que ele faz ou o que ele passar nessa vida é pra glória de Deus.
(1 Coríntios 10:31)

c) Jesus é a razão de sua existência. v 21 “para mim o viver é Cristo”

4- Para o justo o morrer é lucro.
Sl • 116:15, Preciosa é à vista do SENHOR a morte dos seus santos.

a)Estará para sempre unido ao Senhor
b) Desfrutará da vida eterna

Para o apostolo Paulo a realidade era essa “o viver é Cristo e o morrer é lucro”. E para nós, qual a realidade?

Estamos dispostos a viver para Ele, para o serviço dele, para a obra dEle, para a glória dEle?

Outra pergunta eu deixo para encerrar: Devemos ser apenas admiradores do apostolo Paulo ou devemos ser seus imitadores como ele diz em 1ªCo 11:1?

Que Cristo seja para nós a razão do nosso viver, o motivo do nosso louvor.

E como diz aquele hino conhecido “E quando a morte enfim me vier chamar, no céu com o Senhor irei morar... Mais perto quero está meu Deus de ti”

Para mim o viver é Cristo e o morrer é lucro!

Que assim seja,
Amém.

sexta-feira, 12 de junho de 2009

Teologia da Prosperidade


por Rev. John Piper (Transcrito)
Eu não sei o que você sente em relação à Teologia da Prosperidade, mas eu vou lhe dizer o que eu sinto: ódio!
Isso não é evangelho! E está sendo exportada deste país (EUA) para a Ásia e a África, vendendo um cardápio de benefícios aos mais pobres dos pobres. Eles dizem: “Creia nessa mensagem e seus porcos não irão morrer, e sua esposa não terá abortos, e você terá anéis em seus dedos e casacos nas suas costas”. Isso está saindo da América. Pessoas às quais nós deveríamos dar nosso dinheiro, nosso tempo e nossas vidas, invés de vender a eles um monte de esterco que eles insistem em chamar “evangelho”. E esta é a razão pela qual a Teologia da Prosperidade é tão horrenda.
Qual foi a última vez na qual um americano, um africano ou um asiático jamais disse que Jesus é totalmente satisfatório por causa da BMW que possuía? Nunca! Eles dirão: “foi Jesus quem te deu isso? Eu aceito esse Jesus!” Isso é IDOLATRIA. Isso não é Evangelho. Isso é colocar os dons acima de quem deu os dons.
Eu vou te dizer o que faz Jesus parecer lindo. É quando você bate seu carro e sua filhinha voa através do pára-brisas… e cai morta na rua…e você diz, em meio a mais profunda dor possível: “Deus me é suficiente. Ele é bom, Ele cuidará de nós, Ele irá nos satisfazer, Ele nos fará passar por isso.
Ele é nosso TESOURO. A quem tenho eu no céu além de Ti? E na terra, não há nada que eu deseje mais que a Ti. Minha carne e meu coração e minha filhinha desfalecem, mas Tu és a força do meu coração, e a minha porção para sempre.” Isso faz Deus parecer Glorioso. Como Deus. Não como alguém que dá carros, segurança ou saúde.
Oh, como eu oro para que Birmingham seja liberto de Teologias que enfatizam a saúde, a riqueza, a prosperidade; de fato, que a América seja liberta. E que a Igreja Cristã seja conhecida por SOFRER por Cristo.
Deus é mais glorificado em você quando você está mais satisfeito nele em meio à dor e pobreza, e não em meio à prosperidade.
Esta foi a resposta de John Piper a maldita Teologia da prosperidade que dos estados unidos é exportada para países pobres como África, Azia e outros.
Que a nossa resposta seja a mesma do apostolo Paulo em Gl 1:6-9:
Admira-me que estejais passando tão depressa daquele que vos chamou na graça de Cristo para outro evangelho, o qual não é outro, senão que há alguns que vos perturbam e querem perverter o evangelho de Cristo.
Mas, ainda que nós ou mesmo um anjo vindo do céu vos pregue evangelho que vá além do que vos temos pregado, seja anátema.
Assim, como já dissemos, e agora repito, se alguém vos prega evangelho que vá além daquele que recebestes, seja anátema.

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Você tem Dúvida de Sua Eleição?

por

Raniere Menezes




Não fostes vós que me escolhestes a mim; pelo contrário, eu vos escolhi a vós outros... João 15:16

Biblicamente nós não temos a liberdade de escolher ou eleger a Deus, a liberdade de escolha pertence ao SENHOR. Não há em nós nenhuma legitimidade nem elegibilidade para merecermos a salvação. Sendo, assim, e cremos, perguntemos individualmente: como posso saber se sou ou não um eleito? Você tem dúvida de sua eleição?

“Ao SENHOR pertence a salvação!” (Jonas 2.9) É isso: a salvação vem de Deus, o SENHOR. O que moveu a escolha dEle? Seguramente Seu Senhorio e Soberania tão-somente. Pois de outro modo como poderia existir em mim algo digno de eleição?

Não há meio termo, ou foi a livre escolha de Deus que me escolheu ou estou perdido! Não há salvação sem Eleição (incondicional!). Efésios 1:4 nos diz: assim como nos escolheu nele antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele... Antes mesmo da criação de Adão, Deus já nos havia escolhido para sermos dele por meio da nossa união com Cristo. Os eleitos e somente os eleitos serão salvos! Nós sabemos disso! Deus salva somente os eleitos, - há injustiça da parte de Deus? De modo nenhum! Rm 9.15. - Muros intransponíveis são os Seus decretos!

Se não podemos fazer nada por nossa eleição, e cremos nisto, como podemos saber se somos eleitos? Para quem acha que esse tipo de questionamento não é algo legítimo, é saudável citar William Perkins – um velho puritano da Inglaterra – para desfazer qualquer mal entendido. Não citarei suas palavras, mas seu conceito sobre um determinado aspecto da salvação: É possível duvidar da própria eleição? Sim, é. É possível um eleito regenerado ter ânimo dobre? (ser uma pessoa que não tem firmeza e nunca sabe o que deve fazer?) Sim, é possível. - Tiago 1:8. – Pode um eleito regenerado cair em desespero e duvidar da própria fé? Sim. Tudo isso pode acontecer como tentações, mas para todos os males espirituais que atingem os eleitos há remédio! Não precisa entrar numa crise existencial ou coisa parecida.

Se você tem dúvida de sua eleição, há três doutrinas especiais que você precisa urgentemente estudar ou rever: Chamada Eficaz (ou Vocação Eficaz), Justificação e Santificação. Se você tem passado por ânimo dobre, desespero e dúvida da fé, concentre-se nas doutrinas da Justificação e Santificação. Não há outro remédio. Deus não enviará uma voz do céu para dizer que você é um filho(a) amado(a)! Se você tem dúvida da sua justificação, concentre-se somente na doutrina da Santificação. Se você tem dúvida de sua eleição, o recado está dado, o que você está esperando? Vá orar e estudar!


--------------------------------------------------------------------------------

http://www.monergismo.com/

UMA AVALIAÇÃO DO CULTO

W. Robert Godfrey

A preocupação de Deus com respeito a seu culto deve levar os evangélicos a uma avaliação muito mais cautelosa de suas práticas de culto.

Primeiramente, os evangélicos precisam reconsiderar os novos elementos introduzidos no culto. Será que elementos visuais como drama, dança e filme são aceitáveis a Deus? Não parecem ser coerentes com a aplicação refletida do Segundo Mandamento. Ao contrário, tem mais semelhança com o fogo estranho oferecido ao Senhor (Lv 10.1). Deus na Escritura nunca aprovou a criatividade ou inovação no culto. Como é que os evangélicos tão impensadamente presumem que Deus aprova as suas novidades?
Esses elementos têm de ser rigorosamente submetidos às Escrituras. A falha evangélica, de não fazer isso, mostra que a Bíblia não funciona de maneira central na vida e no modo de pensar de muitos. Não devia haver tantos evangélicos se contentando com tirar um tema ou ilustração da Escritura, sem estudar cuidadosamente os detalhes para verificar se estão apresentando uma verdade coerente e sistemática. Os evangélicos precisam ver que o culto deve ser orientado pela Palavra nos detalhes específicos, não de maneira geral e vaga.
Para muitos, a justificativa de sua maneira nova de prestar culto tem raiz na sua sinceridade. O culto certamente precisa ser sincero para ser aceitável a Deus. Mas a sinceridade por si só não torna o culto aceitável a Deus. Os adoradores de Baal nos dias de Elias eram sinceros. Muitos adoradores de Yahweh em Samaria eram sinceros. Mas Deus rejeitou tal adoração como violações do Primeiro ou Segundo Mandamento. A sinceridade não justifica a falsa adoração, como também não justifica a falsa doutrina ou a vida desobediente.
O culto que é simples e espiritual irá incentivar a vida cristã disciplinada e coerente. Conduzirá os evangélicos de volta à Bíblia. Esse culto realmente edificará o corpo de Cristo na doutrina e na vida.

Segundo, os evangélicos devem reexaminar quais as formas em que eles mudaram os elementos do culto. Os sermões devem voltar a ser rigorosamente expositivos para que a igreja ouça realmente a Palavra de Deus, e não opiniões humanas. A exposição da Palavra em sua riqueza irá confrontar as nossas idéias, valores e maneiras pecaminosas, assegurando que o culto não seja simplesmente um paliativo confortante. A Bíblia precisa ser lida como ato central do culto: não apenas para informar, mas como um ato de reverência e agradecimento a um Deus que se revelou a si mesmo. A oração deve ser restaurada como privilégio da igreja de falar ao Deus que se aproxima deles. Os sacramentos devem ser vistos como sendo a bondade do Senhor em dar expressão visível ao evangelho.
Os elementos históricos do culto refletiam um sentimento da grandeza e presença de Deus. Os evangélicos podem retomar o culto profundamente centrado em Deus, e se afastar do seu culto cada vez mais centrado no homem. Como Calvino escreveu: "Não é uma teologia muito acertada a que limita tanto os pensamentos da pessoa a si mesma, e não coloca diante dele, como motivação primária de sua existência, o zelo por ilustrar a glória de Deus. Pois somos nascidos antes de tudo para Deus, e não para nós mesmos".
A vida cristã florescerá num contexto em que se cultive um relacionamento vital com Deus de acordo com sua Palavra. Reunir-se com Deus na verdade fortalecerá a vida cristã.

Terceiro, os evangélicos devem olhar com cuidado a sua música. A música é a maneira-chave de expressar a emoção no culto. Mas o culto contemporâneo por vezes demais se preocupa apenas com a emoção de alegria – e esta de modo bem superficial. A Bíblia da ênfase à alegria, certamente, mas dá ênfase igual à reverência. Diz o Salmo 2.11: "Servi ao Senhor com temor e alegrai-vos nele com tremor". A reverência e a alegria, ambas, devem ser expressas no culto.
A alegria e a reverência refletem a natureza de Deus, que é justo e misericordioso, santo e amoroso. Culto que é apenas alegre é servir a um Deus despojado da metade de seus atributos. Produz um evangelho que fala de paz quando não há paz. Divorcia a Lei do evangelho e o arrependimento da fé.
As músicas do culto da igreja devem seguir o modelo do hinário no qual se louva a natureza de Deus, com amor para com Deus como ele realmente é. Abastecerá a mente com verdades sobre as quais meditar. Incentivará o povo de Deus à santidade de vida.

Quarto, muitos evangélicos diminuíram o papel do pastor na liderança do culto e multiplicaram o número de líderes do culto. São atos alinhados com a cultura democrática, e freqüentemente justificados apelando-se à doutrina do sacerdócio de todos os santos. Mas isso muitas vezes torna líderes pessoas sem a instrução ou experiência devida para a posição. E mais importante, tais pessoas não receberam um chamado nem foram separadas para essa obra pelo corpo da igreja.
Os evangélicos precisam reassumir uma teologia de dom e ministério. Uma das grandes dádivas de Cristo concedidas à sua igreja, de acordo com Efésios 4, são os dons de pastor e professor. Aqueles que foram dotados e vocacionados por Cristo e sua igreja precisam dirigir o povo de Deus cuidadosamente em seu culto em conformidade com a Palavra.
Tal liderança irá ajudar os crentes em toda sua maneira de vida a refletir sobre a importância das estruturas e autoridades que Deus nomeia. O declínio do respeito para com as autoridades, quer pais, mestres, empregadores, ou autoridades do governo, é um problema crucial do nosso tempo. A igreja deve ser exemplo para a sociedade no seu respeito para com os ministros e presbíteros que Cristo estabeleceu em sua igreja.

Quinto, os evangélicos vêm mudando o horário do culto para tornar mais fácil e acessível o culto ao Senhor. Mas será que os evangélicos compreenderam o chamado do Senhor para que se santifique o Dia do Senhor? Existe um dia do Senhor na nova aliança – o de Apocalipse 1.10 – e é santificando-o que o povo de Deus aprende a obedecer e a negar-se a si mesmo. O verdadeiro Cristianismo não é fácil, mas aceita de bom grado a disciplina e bênção do descanso e culto no Dia do Senhor. A fé verdadeira fica feliz de passar tempo com Deus. Aprecia muitíssimo a hora para devoção, aprendizagem e serviço cristão. Não busca terminar logo o culto, mas procura seguir o modelo revelado de um dia com Deus.
Os evangélicos, com relação ao culto, doutrina e vida, vêm se tornando minimalistas. São pessoas demais perguntando: Qual é o mínimo que posso fazer e qual é a maneira mais fácil de fazê-lo para que eu seja um discípulo de Jesus Cristo? Os evangélicos precisam se lembrar – em primeiro lugar – da Grande Comissão (Mt 28.18-20). Aí Jesus declara o que é o verdadeiro discipulado. Tem uma dimensão doutrinária: Os discípulos devem reconhecer Jesus como possuidor de toda a autoridade no céu e na terra. Tem uma dimensão de culto: Os discípulos devem ser batizados em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Tem uma dimensão de vida: Os discípulos devem obedecer a tudo o que Deus mandou. Os evangélicos precisam captar de novo a plenitude da religião bíblica.

REFORMA HOJE – UMA CONVOCAÇÃO FEITA PELOS EVANGÉLICOS CONFESSIONAIS
James Boice, Gene Edward Veith, Michael Horton, Sinclair Ferguson Etc
Editora Cultura Cristã
Reproduzido com Autorização.